30/07/2018 08:44

SALVE O DIA DOS AVÓS

 

O Dia dos Avós, comemorado em 26 de julho, é mais do que uma data comercial. Esse evento possui um significado muito importante para as famílias do mundo inteiro. Esse dia foi escolhido para homenagear o dia de Santa Ana e de São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo. Narra à história cristã que no Século I antes de Cristo, uma senhora chamada de Ana e seu marido, conhecido por Joaquim, viviam no povoado de Nazaré e não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que Deus (pai de Abrão, de Isaac de Jacó) lhes enviasse uma criança para dar mais alegria em suas vidas. Porém, mesmo estando em idade avançada, um anjo do Senhor apareceu e comunicou ao casal que Ana estava grávida e eles tiveram a graça de ter uns meninos abençoados a quem batizaram com o nome de Maria (Miriam, em língua hebraica).  Mas, Ana morreu quando a menina tinha apenas seis anos de idade. Devido a sua história, Ana é considerada a padroeira das mulheres grávidas e dos que desejam ter filhos. Maria cresceu ao lado do pai, conhecendo e amando a Deus e foi por Ele a escolhida para ser Mãe do Seu Filho Onipotente, por isso São Joaquim e Santa Ana são os padroeiros dos avós.

A devoção a Santa Ana e a São Joaquim é muito antiga no Oriente. Eles são cultuados desde o início do cristianismo. No ano de 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Santa Ana em 26 de julho. Em 1879, o Papa Leão XIII, cujo nome de batismo era Riachinho (versão italiana de Joaquim), estendeu a festa a toda Igreja. Finalmente, na década de 1960, o Papa Paulo VIU associou a celebração dos pais de Maria Santíssima, Dia de Santa Ana e de São Joaquim, num único dia do mês de julho. Por isso, no dia 26 de julho se comemora também o “Dia dos Avós”. Por outro lado, os registros históricos sobre Santa Ana e São Joaquim são poucos, porém, no Evangelho Apócrifo de Thiago menciona-se que em 1889, na cidade de Jerusalém, foram encontrados os túmulos onde o casal de avós de Cristo foi enterrado.

As únicas informações que temos sobre os pais de Maria são contados pelo Protoevangelho de Tiago, considerado um evangelho apócrifo (livro que não foi incorporado à bíblia por não ser considerado de inspiração do Espírito Santo). Este texto, escrito no século II depois de Cristo, fala dos momentos mais importantes da vida de Maria: o matrimônio dos pais Joaquim e Ana, a concepção depois de 20 anos sem ter filhos, o nascimento e a apresentação ao Templo de Jerusalém. Todos esses acontecimentos são inseridos dentro do contexto histórico da cidade de Jerusalém. Narra-se que Joaquim tinha sido reprimido pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Mas Ana, sua mulher, já era idosa e estéril.  Confiando no poder divino, Joaquim retirou-se ao deserto para orar e meditar. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces.

O casal teria vivido em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Sant’ana; foi lá que nasceu a menina que foi chamada de Miriam, que em hebraico significa “Senhora da Luz”, traduzido para o latim como Maria. Portanto, quando celebramos o Dia dos Avós de Jesus, nós também celebramos os nossos avós. O fato é que a intenção por trás do Dia dos Avós é educar os nossos filhos segundo a tradição dos nossos pais e das pessoas mais antigas no decorrer da nossa história. Quando comemoramos o Dia dos Avós, nós estamos reconhecendo a grande importância que eles tiveram na vida de cada um de nós! E também as várias gerações anteriores, bisavós, tataravós e todos aqueles que vieram antes de nós, Afinal, eles têm grande importância em tudo o que nós somos hoje. Como dizem os ditados populares: “avós são pais com açúcar” ou “avós são pais duas vezes”. Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida pelos mais velhos, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas idosas e com a própria natureza humana... Pensemos nisso! Por hoje é só.