Blogs


SAMOEL BALBINO

Contador
Bacharel em Direito
Comendador por Arapiraca
Funcionário Público
Consultor nas áreas de transportes e trânsito urbano, com vasta experiência em gerenciamento de campanha e pesquisa eleitoral.


Publicado em 31/08/2017 às 12:44

CONSTRANGEDOR

Isso mesmo. Não poderá haver outro nome.

Constrangimento é o que o cidadão passa ao depender de uma "Licença Publica".

Num passado não muito distante precisar e ter uma licença pública era supimpa, bastava chegar ao balcão da repartição, fosse ela federal, estadual ou municipal, fazer um simples requerimento, anexar uns poucos documentos e, quarenta e oito horas depois estava pronta a licença requerida. Constrangimento era palavra morta para os que dependiam de tais licenças. Respeito existia e muito aos que pagavam os seus salários, suas diárias, suas regalias.

No presente, parece que viralisou a praga do "quanto pior melhor" em qualquer esfera de governo, entre, requerer uma licença e a licença ser liberada, morrem os burros e quem os tangem.

Existe uma Lei que diz, que: "Funcionário público não pode ser desrespeitado", isso parece e soa como se fosse uma brincadeira, pois qual a repartição pública que não tem um funcionário do quadro efetivo, comissionado, prestador de serviços, ou, seja lá, qualquer coisa, que não faz o cidadão brasileiro de otário, babaca, idiota a esperar meses por uma licença pública? Pior que isso é o administrador que ouve os reclames, os choros, os desânimos, a insatisfação dos usuários dos serviços e inerte, sereno, faz de conta que nada está acontecendo.

Onde andam os homens que garantem e prometem celeridade nos despachos, nos pareceres, na emissão das licenças?

No Brasil andar na clandestinidade parece ser a melhor opção! Na clandestinidade não existe espera por nada. Na clandestinidade não existe custo de nada. Na clandestinidade não existe majoração, nem aumento abusivo de taxas. Na clandestinidade parece morar a legalidade.

É impossível pensar, que correto será, requerer algo que é, por direito seu e, para você ter, precise ser constrangido na medida que procure o ente público para saber se sua licença está liberada. Onde está o bom censo? Onde está a boa fé? Onde está o respeito pelo cidadão? Onde está o respeito por aquele que antecipadamente paga o seu salário?

É impossível pensar, que viver na clandestinidade será o melhor caminho para os que desejam e querem viver na legalidade.

Pensar que o "Poder é Eterno" é uma mera tolice, é um ledo engano para aqueles que não conhecem o serviço público. Ponto de reflexão. 


Publicado em 17/07/2017 às 18:43

BRASIL... CONFUSÃO GERAL

Imagine o povo brasileiro. Se, o Banco Central resolvesse mudar a cor da moeda brasileira, ou mesmo, carimbar a moeda em circulação e, de um dia para o outro convidasse e desse prazo de 30 (trinta) dias para a sociedade brasileira se dirigir aos bancos oficiais e fazer a troca de suas cédulas guardadas em baús, ou, em seus “porões” Brasil afora.

Quanta correria, quanta dor, quanto sofrimento não teria uma pequena parte dos brasileiros, aqueles brasileiros que despreparados e sem malícia, ainda guardam dinheiro em seus cofrinhos, seus baús e até mesmo em baixo dos colchões, esses, talvez, deixasse passar despercebido o convite do Banco Central do Brasil e perdesse suas grandes economias, ficando pobres em detrimento da precaução e da segurança do Sistema Financeiro do país, mas..., aqueles, que, de certa maneira roubaram os cofres públicos e extorquiam dinheiro dos empresários e, guardam nos porões de suas casas, pacotes fechados de milhões de euros, milhões de dólares e milhões de reais, certamente que enfrentariam a macro corrida e as filas nos bancos para tentar “recuperar” suas “fortunas mal adquiridas”.

Para esses fraudulentos, sobrariam, ainda uma grande fortuna, aquelas guardadas em euros, dólares, barrinhas de ouro, joias e outros minerais valiosos.

Resta saber, quem possui “aquilo roxo”, como dizia Fernando Collor, para esbanjar tamanha coragem e tamanha grandeza e determinar a troca da moeda brasileira. De uma coisa saberíamos..., o poder aquisitivo de muitos..., certamente ficaria fragilizado.

Eita! confusão danada, como diz..., Francisco Carlos de Souza Pinto.
 


Publicado em 10/04/2017 às 00:19

HOMENAGEM A UMA GUERREIRA

Foi sepultado em clima de muito pesar na tarde de ontem no Cemitério Pio XII, na alagoana cidade de Arapiraca, o corpo de Maria Aparecida Pereira, ela que foi vereadora por Arapiraca em cinco mandatos por eleição direta e secreta.

Conheci essa grandiosa e magnífica mulher nos anos 70, tempo em que político era respeitado, merecia a confiança da sociedade, tinha acesso livre e digno nos meios de comunicação, andava sem segurança e era aplaudido onde chegava. Naquela época, ter um político na família era motivo de muita honra para toda e qualquer família brasileira.

Maria Aparecida como era conhecida, filha do saudoso André Félix, que abraçava a causa social de sua filha e muitas das vezes bancava seu projeto social, encontrou um caminho para trilhar e ajudar, ajudar as viúvas, as mães solteiras, as mulheres sem marido e as crianças órfãs, ela não pausava esforços nem media distâncias para encontrar saídas para cada pessoa que a procurava. Maria, tornou-se a maior “Assistente Social”, sem diploma que a Arapiraca e a Região pode conhecer.

Não conheço nenhuma cidadã em Arapiraca e Região que tenha “individualmente” produzido e realizado tantas ações sociais como essa “Assistente Social” sem diploma. Maria Aparecida era a mãe das mães, a mãe das buchudinhas, a mãe das crianças órfãs, a mãe das mães sem marido. Maria era a mãezona.

No mundo político partidário a vereadora foi a figura mais desprezada pelos “colegas”, pelos “governantes” e pelos “coronéis da política”, pois, eles tinham “inveja” da sua possível ascensão política administrativa e social.

Maria Aparecida Pereira da Silva, recebeu as honrosas “homenagens silenciosas” mais singelas que um ser humano útil pode receber, ao lado do seu corpo estavam presentes, seus familiares mais diretos, seus verdadeiros amigos e uns poucos políticos.

De parabéns esteve Maria Aparecida, que ao longo de sua vida dobrou-se a fazer caridade, seus filhos que dividiram riquezas e amor com todos os acolhidos por ela e, seus familiares que a ajudavam oferecendo-lhes apoio logístico. De Parabéns está Arapiraca que teve uma filha grandiosa na presença de Deus.

 


Publicado em 08/12/2016 às 23:00

Administrar com “Mãos de Ferro”

Comentários nas redes sociais dão conta de que o prefeito eleito Advogado e Professor Rogério Teófilo (PSDB/Arapiraca-Al) precisa administrar com “mão de ferro”, para vencer os vícios políticos e administrativos que se acumularam ao longo dos últimos 20 anos, vestígios que teve como protagonistas as gestões de Célia Rocha e Luciano Barbosa. Algo normal para um longo período no comando do executivo?

A cada opinião emitida por usuários da Rede Whatsapp e Facebook, sabe-se, que algo errado aconteceu e, que, as expectativas em torno da administração do Prefeito eleito Rogério Teófilo e de sua Vice Fabiana Pessoa enormes. Resta saber se a equipe de secretários será formada por Técnicos, Políticos, Técnicos e Políticos, ou, Técnicos Políticos.

Rogerio Teófilo indicou e constituiu membros da Equipe de Transição sua vice Fabiana Pessoa, na qualidade de Coordenadora do Grupo e, os renomados técnicos, Administrador de Empresas Antônio Lenine Pereira Filho e o Jurista Adriano Soares, ambos conhecidíssimos no Estado de Alagoas pelo grande trabalho que planejam e desenvolvem nas instituições em que atuam na qualidade de agentes públicos.

Teófilo, inteligentemente guarda a sete chaves os nomes que deverão compor sua Equipe de Governo, evitando, assim, especulações em todos os sentidos e, talvez, esses nomes sejam colocados a público somente na segunda quinzena de dezembro. Quem sabe!

O que se sabe é que Teófilo por ter sido mantido na mídia como o 3º colocado nas pesquisas eleitorais, poucos, foram os que tiveram a coragem e a bravura de enfrentar os poderosos e colocar a “cara a tapas” e se fizeram presentes nas caminhadas e nas reuniões de campanha, o que, deixa Rogério Teófilo bem a vontade para escolher seu secretariado. Tudo que se pede é que Deus o abençoe e lhes dê sabedoria para tratar a “coisa pública” com honradez. Aguardar pra ver.
 


Publicado em 24/10/2016 às 05:26

Autonomia Judiciária vs Tiro no Pé

Os escritos a seguir, talvez possua conotação de presságio anunciado.
O Juiz Federal Sérgio Moro tem sido significativamente grandioso para a população brasileira na proporção que “se predispõe” a cumprir seu papel, enquanto membro ativo da magistratura federal do Brasil, contudo acompanhamos de perto o desenrolar da “Operação Lava Jato” e, observamos que há em meio a tudo, “abusos de autonomia”, que poderiam ser evitados, tornando-os juridicamente normais e cabíveis aos diversos processos de combate as ações de corrupção nesse país.

É certo que grampos foram implantados, diga-se de passagem, com “autorização da Justiça” em residências e em gabinetes de políticos grandiosamente influentes na esfera governamental do Brasil, tais grampinhos foram implantados em “segredo de Justiça”, o que significa dizer que tais políticos também não sabiam da existência dos mesmos, mas preocupados com a atual conjuntura da “caças a bruxas”, resolveram fazer varredura em seus gabinetes e suas residências e pedindo ajuda ao Departamento de Polícia Legislativa do Senado se libertaram dos “famigerados grampos autorizados”, gerando uma espécie de ira no judiciário o que resultou na prisão de quatro integrantes da Polícia Legislativa do Senado “comandada indiretamente” pelo Presidente Senador Renan Calheiros.

Prisões essas, efetivamente realizadas nas dependências do Senado da República Federativa do Brasil. Há quem diga que não houve tentativa de obstrução a Ação da Justiça porque os grampos foram colocados com ”Autorização da Justiça”, portanto..., em “Segredo de Justiça” e..., se era em segredo, ninguém sabia e..., se ninguém sabia não há crime, assim, todo cidadão tem direito de mandar fazer varredura em seus escritórios e suas residências. Onde há crime nessa ação?

Por outro lado, a prisão dos quatro policiais legislativos aconteceu nas dependências da autonomia do Senado da República Federativa do Brasil.
Eles (os quatro policiais legislativos) poderiam ser presos? Até que poderiam, sim, mas, respeitando critérios e procedimentos constantes nas normas legais, cautelosos, ao amanhecer do dia e em suas residências, sem agressão a autonomia de outro Poder.
O Juiz Sergio Moro está caminhando a passos largos. Há se existissem outros “Moros” Brasil afora!
Lamentavelmente há um presságio de “cortes na altura dos joelhos” de Moro e, de tantos outros que se meter a bestas e afugentarem a “soberania da corrupção legislativa” desenvolvida ao longo de vários anos por muitos que se perpetuam no Poder que Pode Tudo.

Cuidado Moro! Cuidado Justiça! Cuidado Povo Brasileiro!
Estamos a beira da “construção” de uma nova legislação punitiva a Promotores de Justiça, Procuradores da República e a Juízes de Direito que levantarem bandeiras contra a corrupção legislativa.
Presságio... O Tiro no pé da JUSTIÇA está por vir. Cuidado povo brasileiro.
 


Publicado em 09/06/2016 às 06:09

EU DUVIDO!

Duvido que o Senador Romero Jucá, o Senador Renan Calheiros (Presidente do Congresso Nacional e Presidente do Senado da República Federativa do Brasil), o Sr. José Sarney (Ex-Senador e Ex-Presidente da República) e o Deputado Federal, Presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, sejam presos de uma só vez.

DUVIDO!
Não tenho dúvidas de que o STF poderá autorizar a prisão de todos eles e de tantos outros, mas, em momentos diferentes e em operações diferentes, jamais numa única peça judicial. Prender Renan Calheiros, por si só já será uma grande barra, imagine prender quatro grandes nomes “raposas velhas” da politica brasileira!
Isso acontecendo será o desmantelo completo da estrutura política de um país chamado Brasil, que ao longo dos anos luta por uma verdadeira democracia.

O STF é a instituição mais respeitada e poderosa desse país, seus componentes tem consciência da independência dos Três Poderes e jamais cometeriam erros e gafes de tamanha grandeza, eles (os Ministros), são de um conhecimento e de uma capacidade jurídica extraordinária e nenhuma pressão política ou popular faria com que eles exarassem atos que comprometesse seus conhecimentos jurídicos e suas sabedorias políticas.
Para que os Senhores Senadores sejam presos precisa de autorização do Senado Federal. Como eles seriam presos?

O Procurador Geral da República, Dr. Rodrigo Janot na ânsia de prender o Ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sem coragem para tal, aplicou e aplicou mal, solicitando a prisão de quatro dos diversos “coronéis da política brasileira” e assim, certamente que sua ansiedade fracassará.
Estude mais Dr. Rodrigo, sua leitura é pouca.

Eu duvido.
 


Publicado em 04/06/2016 às 04:41

CURRAIS DESTRUÍDOS

Leandro Silva, do PPS, empresário do ramo de combustíveis, surge na política de Junqueiro – AL, como o nome da vez, é parte integrante da segunda maior força política do município. Segundo as pesquisas Leandro Silva chegou pra ficar, uma vez que, feito rolo compressor, Leandro passa por cima em pontos percentuais das maiores forças políticas da região (Famílias Pereira X Tavares) que, antes se diziam imbatíveis na arte de fazer politica.

Até a semana passada as famílias Pereira X Tavares, estavam como se diz no popular, na disputa pau a pau, sendo os candidatos Carlos Augusto X Morgana Tavares, contudo não se tinha ideia de quem levaria o melhor da politica, havia a certeza da disputa no voto a voto, até que decidiram conciliar as forças e gastar menos, ganhar as eleições e dividir o Poder que Pode Tudo com as briosas e poderosas famílias. Quem não gostou da “venda do mandato” foi Morgana, que decidiu abrir mão da disputa política e abriu espaço para que seu genitor Netinho Tavares ascendesse na disputa pela vaga de Vice-prefeito.

Dizem que Leandro Silva, além de ser um grande nome na disputa pela Prefeitura de Junqueiro, desmanchará o grande curral eleitoral há anos construído com arame farpado pelas famílias Pereira X Tavares.

Há quem aposte que Leandro ganhará as eleições tirando do cenário politico de Alagoas os coronéis da política local e fará um grande governo.

Com a palavra os eleitores de Junqueiro...
 


Publicado em 01/06/2016 às 07:17

MUNDO MÁGICO DA POLÍTICA

Como havia falado em artigos anteriores, Arapiraca, sem resposta, tem se comportado da pior forma possível em se tratando de política partidária. Faltam 50 (cinquenta) dias para o início das Convenções Municipais (20 de julho) onde serão escolhidos os Candidatos a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores dos Partidos Políticos, ou, Coligações Partidárias e até a presente data, arapiraquenses vivem o drama do: “Conhecer Para Confiar” e, assim votar, pois, os candidatos ainda permanecem atrás das cortinas de fumaça e os grandes mágicos, ou, magos da política não tiveram a presteza, o compromisso e a responsabilidade de apresentar corajosamente a sociedade o nome de seus candidatos.

Continuam caminhando a passos curtíssimos os candidatos a Prefeito Rogério Teófilo, Celso Pessoa, Tarcizo Freire e Ricardo Nezinho, esse último, segundo as más línguas e fontes ligadas à administração pública local, não está decolando o, que, tudo indica que a Prefeita Célia Rocha retomará a sua posição de candidata à reeleição.

Contudo, empresários, comerciantes, sociedade organizada e a sociedade politicamente ativa se sentem prejudicados e apreensivos, uma vez, que, Arapiraca sendo o segundo maior colégio eleitoral de Alagoas não pode e não deve continuar eleitoralmente nas mãos de grupos políticos descomprometidos com o crescimento e o desenvolvimento da Terra de todos nós e, de Manuel André Correia dos Santos e Maria da Silva Valente.

Esperar, ter paciência...
 


Publicado em 21/05/2016 às 08:09

Traição x Redes Sociais x Traição

Confiança: Fonte de vida, fonte de paz, fonte de maturidade e sabedoria.

Milhões de pessoas mundo afora procuram a felicidade em outras pessoas. Muitos são os que se utilizam das redes sociais em busca da "Felicidade".
Ah! Se fosse tão fácil encontrar a felicidade nos outros. Se assim acontecesse a tal felicidade seria encontrada a cada recanto desse mundo de meu Deus. Deus é a plenitude em tudo. Deus é tão pleno, tão completo, tão bondoso que te dar a garantia de ser feliz enquanto você desejar e quiser, basta reservar alguns segundos e procurá-la dentro de você.

A felicidade reina e se faz presente dentro de cada ser humano, basta refletir e fazer acontecer. “Amar a Deus sobre todas as coisas e, ao próximo como a ti mesmo.” Se respeite e respeito ao seu próximo e tudo acontecerá.

Contudo, inúmeras são as pessoas (solteiras e casadas) que procuram e se habilitam nas redes sociais (facebook, whatsapp, badoo, pof, twoo, twitter, etc) a fim de encontrar nas vias (ir)reais a sua (in)felicidade.

Ando muito, viajo muito, converso muito e, me assusto ao me relacionar com dezenas de centenas de milhares de pessoas que invadem as redes sociais diariamente com um único objetivo que é o de conhecer alguém. Conhecer alguém e, se rolar, o chapéu de carneiro está posto. Posto imaginariamente na cabeça de alguém de boa fé, que de cara limpa e de consciência tranquila confiou, continua confiando e confiará por anos a fio em pessoas que se acha imune e imortal.

Alguns sociólogos ou psicólogos podem até imaginar que este humilde blogueiro está flutuando, viajando na maionese, no mundo da lua, é um insano, mas, sem mentira e sem delongas, o mundo pirou com essas tais redes sociais, são homens e mulheres solteiros(as), noivos(as), casados(as) flertando dia e noite, na sala, no quarto, no banheiro, no restaurante, na escola, no trabalho e, sabe-se lá por onde mais. Normalmente, aos sábados e domingos nos restaurantes, se verifica belos casais sisudos, mas, com celulares nas mãos colados nas redes, trabalhando e discutindo muitas das vezes o fim de uma relação que, talvez, fosse a relação do século.
Por fim, motivação não falta para seguir caminhos. Caminhos existem, procure o seu melhor caminho e siga.
 


Publicado em 19/04/2016 às 04:52

Discursos despolitizados e fúteis

No domingo passado o Brasil assistiu: O maior show de discursos despolitizados e fúteis da sua história.

Nenhum voto efetivamente realizado em função de um Brasil melhor, da moralidade, da dignidade, da ética e da austeridade fiscal. “TODOS”, “pela minha esposa”, “minha tia Maria que já faleceu”, “meus filhos”, “meus netos”, “meu pai Jurandir que já faleceu” e “pelo meu filho Gabriel que ainda vai nascer”... voto sim, ou, voto não pela admissibilidade.

Apesar do povo brasileiro, ter acompanhado pelas redes de televisão 511 dos 513 deputados federais votarem em favor, contra e se abster de votar no impeachment contra a Presidente Dilma Russef, as pedaladas fiscais não cessaram, nem cessarão e continuarão ainda por muitos e longos anos, até que o Congresso Nacional RESOLVA melhorar, incrementar e formatizar um novo modelo de Sistema Contábil Público no Brasil.

A abertura do Processo de Impeachment contra a Presidenta Dilma foi politicamente autorizada por 367 votos dos 513 existentes na Câmara dos Deputados.
Coube ao Deputado Federal Bruno Araújo, do PSDB de Pernambuco, deflagrar o 342º voto em favor do impeachment e, assim, definir a abertura de tal procedimento, contudo, muitas são as opiniões contrárias a tal fato, inclusive a desse blogueiro, pois pedaladas fiscais no Brasil acontece hoje e agora na grande maioria das cidades brasileiras.

O povo brasileiro, ainda não está certo de que esse impeachment será um grande negócio para o reestabelecimento da ordem social e econômica, uma vez, que na ordem de sucessão presidencial está inscrito nomes de homens que somente enojam a política brasileira, com exceção do Presidente do Supremo Tribunal Federal. São nomes listados e fiscalizados pela Polícia Federal. São nomes conhecidos pela comunidade policial internacional, portanto, indignos de ascender a Presidência de um país de tamanha grandeza como o Brasil.

Qual a resistência moral do Vice-Presidente da República Michel Temer, do Presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, do Presidente do Senado da República Renan Calheiros e ocasionalmente dos Deputados Federais Russomano e, ou, Tiririca para ascender a Presidência da República Federativa do Brasil, em tempos de crise. Uns, moralmente indesejados, outros sem habilidade política e administrativa para tal fim. Onde vamos chegar? Avante Brasil!!!

Feliz a Nação cujo Deus é o senhor, palavras bíblicas. Deus seja louvado sempre em nome de Jesus Cristo.

Provérbios 29.4, “Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça.”
 
Somente Deus para socorrer o Brasil.
 


Publicado em 14/04/2016 às 22:44

IMPEACHMENT

Pesquisas mostram que a nação brasileira clama por Justiça Social e por melhores condições de vida.
Brasileiros assistem de camarote o desenrolar do “Plano Diabólico” que políticos “sem vergonha” construíram ao longo dos últimos meses.
O impeachment seria um Plano Valoroso se estivesse sendo planejado para derrubar a Presidente Dilma Russef por força da corrupção implantada nas instituições públicas e estatais do Brasil, a exemplo da PETROBRAS, CEF, BNDES e de alguns FUNDOS DE PREVIDÊNCIA.

Pedaladas Fiscais vem acontecendo ao longo dos últimos 15 anos, está acontecendo agora e, se fará presente no Sistema Contábil Público Brasileiro, ainda, por muitos e longo anos (Pedaladas Fiscais poderá até mudar de nome), mas continuará presente na vida do brasileiro, uma vez, que o “encaixe” Receita/Despesa é altamente flexível permitindo que haja o incremento das receitas e automaticamente a investidura na “arrumação” das despesas, o que contribui para o estouro nas peças contábeis.

A história e os registros contábeis da União, dos Estados e dos Municípios brasileiros serão arquivados e se tornarão fontes de pesquisas para o jornalismo investigativo, assim como, para outros órgãos de diversos segmentos sociais comprometidos com a verdade.

O IMPEACHMENT montado sobre a égide das pedaladas fiscais, na humilde opinião deste blogueiro já é fato consumado, pois naquele Congresso Nacional não existe homens íntegros capazes de julgar a conduta moral e administrativa de um governo que ao longo de sua história tem se comportado cumulativamente na construção da má conduta da administração pública.

FINALIZANDO: O Impeachment juridicamente é possível e deve ser construído sobre a égide da corrupção supostamente ativa apurada na PETROBRAS, BNDES, CEF e FUNDOS DE PENSÃO, mas jamais pelas pedaladas fiscais.
 


Publicado em 13/04/2016 às 21:46

Diferenças de Arapiraca dos “tempos de outrora” para os “dias atuais”.

Quando os humanos se preocupavam com o progresso e o desenvolvimento da terra de Manoel André partindo do princípio de que Arapiraca é a melhor terra para se viver.

Nos idos de 1960 grandes e investidores homens de bem se uniram e deram uma nova cara política ao Município de Arapiraca. Naquela época tudo começava a mudar no município. De um lado, os coronéis, do outro, jovens empresários e profissionais liberais abriam os olhos e devam gritos de esperança. Na mesma casa, pai (o coronel) e filho (o rebelde) lutavam por ideais diferentes e, assim, também subiam em palanques diferentes.

1969 surgem vários candidatos a prefeito de Arapiraca e, de repente aparece um jovem letrado, advogado famoso, filho do empresário João Vigário e se elege (Prefeito Tampão) de Arapiraca para governar por dois anos (1971/72).

Dr. João Batista Pereira da Silva, como era chamado, eleito prefeito, se depara com um cofre público vazio, sem recursos, para, se quer, colocar gasolina no veículo oficial do gabinete do prefeito.

João Batista vai a Brasília e, de repente, ”ruma para a SUDENE/Recife/Pe” onde lá encontrou vários amigos de Arapiraca que se dispuseram a vir para cá e construir o maior Projeto da História Administrativa de Arapiraca. Arapiraca em dez meses foi agraciada com um Mega Projeto, no qual, se montou toda a história da construção das obras e serviços do município.

Graças a sociedade e a leveza da Lei eleitoral, em 1982, foi eleito Prefeito de Arapiraca um jovem bancário do Banco do Nordeste, que havia sido Secretário de Administração no Governo João Batista e, conhecendo o Mega Projeto construído por Técnicos da SUDENE o colocou na prática e fez com que Arapiraca recebesse os benefícios e os repasses financeiros que alavancou e engrandeceu o Município de Arapiraca e toda a Região. Severino Leão foi o mega construtor das grandes obras de Arapiraca. A partir daí, Arapiraca continuou a crescer e a receber grandes repasses da Administração Pública Federal e está crescendo, graças a Deus.

Em seguida Arapiraca recebeu outros grandes nomes que de certa maneira se utilizando do mega projeto da SUDENE, mais os projetos do Governo Severino Leão, na época, protocolados nos diversos ministérios em Brasília deram continuidade as obras e serviços.

Mas, em si falando de política partidária, Arapiraca, segundo maior colégio eleitoral, parece mais um curral eleitoral, pois vive já há alguns anos sobre o comando político de Senadores e Governadores que nada tem a ver com o Progresso e o Desenvolvimento da terrinha, uma vez, que eles se preocupam, apenas, em incrementar seus currais eleitoreiros. Isso mesmo, currais eleitoreiros.

Diante desse contexto, os grandes nomes da política local, se privam de colocar seus nomes nas ruas, uma vez, que, se não estiverem sobre a guarda e debaixo da saia desses coronéis não se elegerá. Estão na condição de candidatos a candidatos a prefeito os seguintes nomes: Rogério Teófilo, Ricardo Barreto, Tarcizo Freire, Ricardo Nezinho, Adoniran Guerra, Luciano Barboza, Graça Lisboa, Fabiana Pessoa, Aurélia Fernandes, Fabio Assis, Sargento Moisés, Fábio Maurício, além da Prefeita Célia Rocha, mas, nenhum deles ousa (ousa de ousadia) colocar o nome nas ruas, sem antes consultar os Senadores “Coronéis” Renan Calheiros, Benedito de Lira, Fernando Collor de Mello, o Governador Renan Filho e, alguns Deputados Federais.

Já foi o tempo que o povo de Arapiraca elegia candidatos oriundos da vontade do povo arapiraquense, já foi o tempo.

Desafia-se circular pelas ruas um nome genuinamente arapiraquense. Desafia-se.
 


Publicado em 24/02/2016 às 00:13

2016, Ano de Eleições Municipais.

Arapiraca, não diferentemente de outras tantas cidades brasileiras está vivendo uma espécie de guerra em bastidores políticos partidários.
Desde o ano passado que a oposição tenta unir forças políticas para vencer as eleições desse ano, já que a Prefeita Célia Rocha é “famosa” na sua invencibilidade política.


No entanto, a oposição, liderada pelo Ex-Deputado Rogério Teófilo e compartilhada pelo Deputado Estadual Tarcizo Freire, os empresários Ricardo Barreto e Adoniran Guerra, a Vereadora Aurélia Fernandes e, também o ex-Deputado Estadual e ex-Superintendente da SUDENE Elionaldo Magalhães fazem reuniões semanal para defender a união das oposições e definir um único nome capaz de vencer a “invencível” Célia Rocha.

No decorrer dos encontros os políticos da oposição se conscientizam, ainda mais, que, somente vencerão as eleições se a união fizer a força. Quanto mais a oposição rachar em grupos diferentes, maior a probabilidade da “invencível” Célia Rocha continuar liderando o pódio e ser mais uma vez eleita Prefeita de Arapiraca.

A oposição inteligentemente está pensando, discutindo e trabalhando as políticas públicas que possibilitem o retorno ao crescimento e o desenvolvimento de Arapiraca “Terra de Manoel André” e, também da grande Região para em seguida discutir o “nome do homem, ou da mulher” que deverá em bloco rumar para a vitória.

Qualquer quer seja o candidato a Prefeito de Arapiraca, este, deverá lembrar sempre, que, além dos 240 mil habitantes de Arapiraca, existem mais 700 mil em seu entorno, que merecem, também, uma grande atenção, do contrário, melhor não ser.

Já se fala em Rodrigo Cunha, Deputado Estadual, filho da saudosa Ceci Cunha, nada certo. Mas, é certamente uma alternativa.
 


Publicado em 13/12/2015 às 18:57

Teatro Brasileiro

Nos últimos meses o Brasil vive o maior desastre político partidário já visto desde o Império. Os interesses pessoais e partidários estão acima de qualquer interesse coletivo.

A população brasileira espera estarrecida, o caminhar e o desenrolar dos acontecimentos na esperança de que tudo se resolva e o país possa continuar a andar.
A crise NÃO é individualmente econômica, nem individualmente moral, nem individualmente ética.

A crise é uma mistura da falta de respeito e dos compromissos assumidos pelos 4 poderes e, em defesa da nação brasileira.

Os 4 Poderes:

O Poder Executivo tem a função, a responsabilidade e o compromisso de administrar e, administrar muito bem os destinos desse país, conforme a Legislação Federal; O Poder Legislativo tem a função de fazer as leis que regulam os diversos segmentos sociais e econômicos; O Poder Judiciário tem a maior e mais bela função, que é a de zelar pela Constituição Federal e fazer valer o que está escrito nas regras de qualquer jogo; O 4º Poder que é a Imprensa Brasileira, carrega nos ombros e tem a responsabilidade e o compromisso de noticiar e informar com lisura todos os fatos existentes no país.

A mistura da falta de ética e moral, inexistente, nesses 4 poderes criou neste país, tão grande, tão bom e tão rico uma “Esta Crise Institucional, Social e Econômica Mentirosa” capaz de estarrecer o mundo.

Chamo a atenção dos meus queridos e bravos leitores para registrarem, em suas mentes, o que vou escrever adiante.

Há por trás de tudo isso: interesses financeiros do Poder Executivo, do Poder Judiciário e do Poder Legislativo, além dos interesses da Impressa Brasileira, que faz o 4º Poder.

O Brasil vive essa crise orçamentária há mais de 10 anos.

Aqui não se aprova Orçamentos Públicos nos prazos da Lei, porque os interesses dos 4 Poderes são imensamente maiores que os interesses do país.

O modelo contábil brasileiro registra uma “Mentira Contábil” e, para isso, há a necessidade de se maquiar números (a maior vergonha para nós brasileiros é a maquiagem de números efetivamente realizados na contabilidade pública brasileira). São números alterados, colocados aleatoriamente ao bel prazer do administrador público responsável pelo fechamento das contas públicas. No orçamento existem números falsos, que mentem e escondem e não condizem com a nossa realidade.

Apesar do rombo dos R$ 3.000.000.000.000,00 (três trilhões de reais) roubados das contas do Brasil, como afirma nas redes sociais o Juiz Moro, essa pontinha do aiceberg, somente estourou porque os 4 Poderes, ainda não se entenderam financeiramente. A partir do momento que esses 4 Poderes, souber qual o valor destinados as contas de cada um, o Brasil volta a sorrir, viver feliz e caminhar solidariamente e, assim acabam-se de um minuto para o outro todas as crises política, econômica, social e institucional. Não haverá impeachment, cassação de mandatos ou mesmo a continuação de prisões de empresários, agentes públicos, políticos, etc e tal. Assim, tudo resolvido e, povo brasileiro unido e muito feliz.

Ponto de reflexão: Enquanto não houver entendimento no valor da distribuição das fatias do dinheiro público, distribuído nas contas de cada “Poder que Pode Tudo”, o Teatro Brasileiro continuará e aí sim, poderá acontecer tudo, inclusive, nada.


Publicado em 11/11/2015 às 11:01

Guerra Civil: Uma Necessidade!

 Na época da Ditadura Militar, nós brasileiros perdemos a liberdade... brigamos, fomos perseguidos, maltratados, presos, etc e tal. Chegou um momento em que os militares reconhecendo o direito dos brasileiros honestos, trabalhadores e, de boa fé e, que na época cantavam as “Diretas Já”, atendendo ao reclame geral e nacional RESOLVERAM fazer a abertura política brasileira.

São 30 anos de “DEMOCRACIA ININTERRUPTA”.

Fomos grandes ao lutar pela democracia, fomos grandes ao influenciá-la, fomos maiores ainda ao exercê-la e, estamos sendo pequeninos ao vê-la desandar, decair, jogada nas mãos de grupos políticos (PSDB, PMDB, PT, etc e tal), que hoje, estão jogados na lama, processados por desvio de dinheiro público, enriquecimento ilícito, má conduta na administração dos serviços públicos.

No entanto, compreendemos que ALGO ESTÁ PARA ACONTECER. Tomara que o povo brasileiro se acorde e vá também para as ruas em defesa da cidadania, de uma nova e verdadeira democracia, de um novo Brasil.

O povo brasileiro, assim como, as forças armadas (Exercito, Marinha e Aeronáutica e também as Polícias dos Estados) estão por demais caladinhos.

O povo brasileiro precisa, sem precisar dos políticos enlameados nos porões da “CORRUPÇÃO”, que nela, estão mais de 70% (setenta por cento), ir para as ruas, enfrentar tudo, fazer como os caminhoneiros, morrer se preciso for.

São mais de R$ 57.000.000.000,00 (cinquenta e sete bilhões de reais) desviados dos bancos públicos (BB, CEF, BNDES e, como se não bastasse da PETROBRAS e do FGTS), onde vamos chegar? Quem vai pagar esse dinheiro?

A inflação já chega a casa de mais de 10% (dez por cento) ao mês, isso nota-se nas compras da cesta básica.

O dinheiro parou de circular.                                    

O número de pedintes nas ruas já aumentou de maneira significativa.

A quantidade de lojas fechadas é público e notório nas ruas do comércio.

O número de desempregados aumentou.

O movimento de pessoas nas ruas, casas comerciais e, bancos diminuíram de maneira grandiosa. Onde vamos parar?

Será que devemos evitar o confronto?

Será que devemos evitar a guerra civil? Penso, que, a essa altura a guerra civil seria o melhor negócio. O mundo todo precisa conhecer a realidade brasileira..., o mundo todo precisa conhecer a “democracia, enganosa, mentirosa, repressora e abusiva” em que estamos submetidos em plena luz do dia e em pleno século XXI.

Avante povo brasileiro. Lutar é preciso.

 

 


Publicado em 06/11/2015 às 13:32

Burocracia e Corrupção, caminhos por demais estreitos

O mundo todo conhece as histórias advindas da burocracia. Nos diversos setores da economia e principalmente, quando se fala, do mundo capitalista, sabe-se que a espera por determinadas ações, promove, rapidamente a projeção e o desenvolvimento de outras ações no “mundo do crime”, independentemente do ramo de atividades.

Os noticiários apresentam diariamente, exemplos de tipos de crimes cometidos pelos mais diversos profissionais envolvidos no sistema capitalista mundial.

A procura demasiada pelos pontos e vírgulas existentes dia a dia nos serviços burocráticos em todos os setores econômicos capitalistas e, principalmente nas esferas de governo, seja ela Federal, Estadual, ou Municipal ruma para a demanda de gratificações, presentes, contratação de profissionais das áreas de corretagem, despachantes, administradores, engenheiros, arquitetos, advogados e, também a pré-disposição desenfreada dos empresários, usuários dos serviços, que precisam correr para encontrar a solução de seus projetos econômicos e financeiros e, assim, cumprir com seus negócios, caminhando no mundo cruel, repetimos, onde a procura por pontos e vírgulas em projetos atrapalham a emissão de licenças públicas.

Quando se avalia essas informações, vê-se, que, no Brasil essa marca de corrupção é marcante, veja o exemplo claro da PETROBRAS, onde, as pessoas que detinham o poder do sim e do não no momento da contratação dos serviços foram quase todas incriminadas, em detrimento dos políticos que por trás dos cargos mandavam e desmandavam.

Cuidado ao se deparar com uma burocracia desenfreada em alguns setores: bancários, cartoriais, públicos, etc. Se isso acontecer. Segure a carteira, se não, o risco de perdê-la É REAL.  


Publicado em 03/11/2015 às 08:34

Arapiraca Estrela Radiosa

Em 1970, com 13 anos eu acompanhava meu pai, o saudoso Pedro Balbino Sobrinho em suas andanças políticas. Tempo, em que, políticos tinham respeito e consideração a seus eleitores.

Naquela época, iniciava-se mais uma campanha eleitoral. Lembro que havia três candidatos a Prefeito de Arapiraca, mas, dois se destacavam. Alonso de Abreu Pereira, um grande e forte empresário (candidato do meu pai) e, Dr. João Batista Pereira da Silva, advogado renomado e filho do empresário João Vigário. Mandato “tampão”, apenas para dois anos de governo.

Passadas as fases da campanha eleitoral, chega o dia “D”, dia das eleições e o Dr. João Batista Pereira da Silva é eleito e proclamado Prefeito de Arapiraca.
João Batista toma posse..., dinheiro nos cofres públicos era bicho papão, quem via..., morria.

João Batista botou as mãos na cabeça e, apelando para seus conhecimentos científicos rumou para Recife, lá bateu a porta da SUDENE. Graças a Deus foi ouvido e aqueles técnicos abençoados arrumaram suas malas e se instalaram em Arapiraca, tudo por conta da SUDENE, pois, Arapiraca não podia pagar uma diária de hotel para ninguém. Terminado o mandato o Prefeito João Batista olhou para trás e, somente, uma obra avistou, havia naquela época uma ponte que ligava o Bairro Centro ao Bairro Alto do Cruzeiro, a famosa ponte da Lagoa. João Batista, orientado pelos Projetos da SUDENE, mandou derrubar a ponte do alto e iniciou os trabalhos de dragagem da Lagoa do Riacho Piauí. Arapiraca ficou dividida em duas bandas e viveu o maior transtorno administrativo, contudo, iniciava-se a partir daquela obra a Construção da Maior Área de Lazer do Município de Arapiraca, hoje denominada de Parque Ceci Cunha.

João Batista passou o governo no início 1973, ao então Prefeito Higino Vital da Silva, entregando-lhe seu grande feito. João Batista entregou a Higino Vital o “MEGA PROJETO DE ARAPIRACA” construído pela SUDENE ao longo dos seus dois anos de mandato. Ali estavam 13 volumes encadernados e prensados, cada, com mais de 300 páginas e, neles continham o histórico, diagnóstico, problemas e soluções e a síntese de Arapiraca, além desses materiais havia mais 26 volumes contendo projetos arquitetônicos, levantamentos topográficos, projetos de engenharia de tráfego, e, a relação dos projetos e planos de trabalho que deveriam ser incrementados e implementados para que Arapiraca pudesse ser a grande metrópole que é nos dias atuais.

Higino Vital, adoentado, cuidou somente das questões sociais e ajudou a centenas de pessoas que o procuravam na prefeitura. Sem dinheiro nos cofres, não construiu basicamente nada, faleceu e Agripino Alexandre, seu vice, assume o governo e se preocupa em reconstruir o Campo do ASA (Estádio Coaracy da Mata Fonseca).
1976, o Dr. João do Nascimento e Silva, recém-formado em odontologia, filho do agropecuarista Manoel Ângelo, é chamado ao sacrifício e se elege Prefeito de Arapiraca, administrou de 1977 a 1982, fez grandes obras, inclusive, deve-se a João do Nascimento a abertura da Avenida do Futuro, hoje, Av. Dep. Ceci Cunha, além das dezenas de Postos de Saúde construídos ao longo do território de Arapiraca. Foi um grande Prefeito na Área de saúde.

Em 1982, numa guerra política desproporcional, na base do três contra um, PDS 1, PDS 2 e PDS 3, contra Agripino Alexandre do MDB, Severino Leão se elege prefeito por quatro anos, que, em meio a crise política nacional ganhou de presente, mais dois anos e, foi contemplado com um mandado esticado para seis anos. Graças a Deus, Severino Leão trouxe para Arapiraca o Prof. Elizeu Diógenes Martins (para exercer o Cargo de Secretário de Planejamento), homem bom, inteligente, muito sábio, íntegro, professor de economia e de inglês da UFAL/AL, que procurando um servidor do quadro efetivo para auxiliá-lo, já que, lhes fora dado, apenas, uma saleta e um datilógrafo, continuo na peregrinação e concluiu por absorver o servidor Samoel Balbino de Melo, um funcionário público, que, na época, estava sendo tratado como um “verme” porque havia coordenado a campanha do opositor.

Iniciado os trabalhos, a Secretaria Municipal de Planejamento, uniu forças e, aos poucos, montou a melhor Equipe de Trabalho que Arapiraca já conheceu, devagarinho e estrategicamente trouxera-se de outras Unidades Administrativas os servidores Luís Carlos de Oliveira, Marcelo Brito, Silvar Brito, formando uma grande frente de trabalho, que contava, também, com as assistentes sociais Cléia Núbia França, Aparecida Santos, e a engenheira civil Maria de Fátima Lima, naquela oportunidade, somaram-se em um ano de trabalho mais de 300 projetos encaminhados a Brasília. Plantadas as sementes o Prefeito Severino Leão começou a colher os grandes e bons frutos. A Favela Escorrego da Catita marcou a humanização da Administração “Por Amor à Terra” do Prefeito Severino Leão. A partir daí Arapiraca virou um imenso canteiro de obras e desenvolveu a passos largos.

Terminado o Governo Severino Leão, se desfez a grande Equipe de Trabalho, acabaram-se as grades frentes de serviços e os projetos sumiram das prateleiras dos ministérios brasileiros.

1989 a 1992 tivemos a Administração do Prefeito José Alexandre dos Santos, que, em época de crise, recorreu a SUDENE e construiu e urbanizou várias praças, construiu milhares de metros quadrados de calçamentos e, construiu alguns centros de saúde. Ao ex-prefeito de Arapiraca e empresário bem sucedido Sr. José Alexandre dos Santos, dispensasse todo e qualquer tipo de comentário porque Arapiraca o conhece.

1993 a 1996, segundo mandato de Severino Leão, que pela intercalação de mandatos, pouquíssimos projetos foram encaminhados a Brasília, não se teve o que continuar, perdera-se o equilíbrio e a linha de atuação da administração, construiu poucas obras e terminou por fazer um governo fragilizado e hostilizado pela sociedade.

1997 a 2000 – período de governo da Prefeita Celia Rocha, que já havia sido Secretária de Saúde no Governo Severino Leão, vereadora por dois mandatos, experiente pela sua atuação na Secretaria de Saúde, montou grandes projetos e fez um belíssimo e extraordinário governo. Construiu grandes escolas, grandes centro de saúde, belíssimas áreas de lazer, asfaltou a cidade, criou a SMTT e, encerrou suas atividades nos braços do povo.

2001 a 2004 – acontece o segundo mandato da Prefeita Celia Rocha, que sempre otimista desejando e almejando fazer o melhor para a Metrópole Arapiraca, não se sabe por que cargas d’água seu governo não emplacou como deveria e na aparente formação de secretarias independentes (pequenas e fragilizadas prefeituras) o governo não cumpriu seu papel, não fez o que se pré-dispôs a fazer. Como no segundo mandato de Severino Leão e, deixou a desejar.

2005 a 2012 – Pensava-se que Luciano Barbosa seria a redenção de Arapiraca, inicialmente pela sua formação, enquanto, engenheiro civil, por todos os cargos exercidos em Arapiraca, Alagoas e no Brasil, com os cursos efetivamente realizados no Brasil e na área de economia e finanças nos EUA, com trânsito livre nos diversos ministérios brasileiros, amigo do Presidente do Senado, o Sr. Renan Calheiros, etc e tal. Fez algo? FEZ SIM. Muito? MUITO sim. É um excelente técnico? É sim. No entanto, não conservou e melhorou o que encontrou e, construiu obras sem planejamento estratégico. Não ouvia empresários, não ouvia servidores, não ouvia a sociedade e, não ouvia os correligionários. Deixou a desejar e, permaneceu todo tempo na sombra da Prefeita Célia Rocha.

2013 – Célia Rocha iniciou seu terceiro mandato. Nomeou um grupo de “”amigos” secretários”, pouquíssimos e raros técnicos e, com raras e honrosas exceções (pessoas que sabe o porquê e para que estejam ali), REPETIU o erro do passado, deixou surgir a formação de pequenos grupos de secretário, ou pequenos prefeitos e já se passaram três anos de exercício permanente de governo e, não se vê quase nenhuma realização. Próximo ano é ano de eleição.

Qualquer prefeito eleito por Arapiraca, precisa ter em mente a responsabilidade e o compromisso de pensar nas questões sociais e nos serviços necessários para receber os agrestinos. É impossível pensar em Arapiraca sem pensar na Região Metropolitana do Agreste.

Este é o meu pequeno relato, contudo, me insiro dentre as pessoas que trabalhou em prol do desenvolvimento e do crescimento da Metrópole Arapiraca. 


Publicado em 28/10/2015 às 19:05

Aconteceu Hoje

 Aconteceu na manhã dessa quarta feira, 28.10, mais uma seção de júri popular, dessa vez, o réu Johnny Feitosa, que no dia 01 de janeiro de 2009, na Rua Carlindo Quindino Pereira, sn, Bairro São Luiz, em Arapiraca, tentou assassinar a sua esposa a Srª Marcia Barbosa da Silva Feitosa, que na oportunidade recebeu três ferimentos de faca de serra.

O Júri foi presidido pelo MM. Juiz Dr. Jandir de Barros Carvalho, da 8ª Vara da Comarca de Arapiraca, que abriu a seção por volta das 9:00h. A Promotoria de Justiça foi representada pelo Dr. José Alves de Oliveira Neto, que, na oportunidade ministrou uma verdadeira e excelente aula de Direito Penal e Direito Processual Penal.

Na defesa, O Tribunal do Júri contou com a participação do Defensor Público Dr. Roberto Alan Torres de Mesquita, Professor de Direito do CESAMA/UNIRB, do aluno do 9º Período de Direito, Floriano Julião de Oliveira Filho a quem coube fazer a defesa do réu e, também do Bacharel em Direito Samoel Balbino de Melo, ambos, estudantes do CESAMA/UNIRB.

Aberta a seção o Dr. Jandir de Barros Carvalho passou a palavra ao Promotor de Justiça José Neto, o qual ao findar sua brilhante aula de direito e, também fazendo valer o direito, concluiu por pedir a absolvição do réu, que na oportunidade da execução do crime passava por problemas mentais.

Passada a palavra ao membro da Defensoria Pública Dr. Roberto Torres, este, saudou os presentes, teceu comentários elogiosos aos membros da Justiça e, confiante nos depoimentos da vítima que relatou sobre os acontecimentos e, disse não ter interesse na condenação do réu, assim como, do réu que também respondeu as perguntas do MM. Juiz, fez seu relato e, se mostrou alheios aos acontecimentos, passou a palavra ao Assistente de Defesa, o estudante Floriano Julião de Oliveira, que, brilhantemente e pausadamente exerceu seu direito de bem defender seu cliente e acabou por abrilhantar seu discurso em defesa de um homem que na oportunidade não exercia suas faculdades mentais a contento, vindo cometer o crime e, assim  pediu sua absolvição.

Réu Julgado, réu absolvido e solto. O veredito foi proferido pelo Juiz Dr. Jandir de Barros. 


Publicado em 22/10/2015 às 08:30

Casas Lotéricas e Seus Descasos

 É Inadmissível o atendimento dispensado pela grande maioria dos lotéricos do Brasil a seus clientes. Somos andarilhos, viajamos muito e, normalmente fazemos uso dos serviços lotéricos para pagamento de contas e também participarmos dos jogos lotéricos.

Ao longo desse Brasil existem milhares de usuários do sistema lotérico brasileiro que se sentem hiper- incomodados com os serviços oferecidos, pois, as casas lotéricas são em sua grande maioria pequenos salões compridos, corredores sem ventilação e sem claridade, cubículos que se quer acomodam trinta pessoas mais seis cadeiras para alguns necessitados.

As casas lotéricas não oferecem o menor conforto a seus usuários, nelas não existem banheiros, distribuição de água potável, ventiladores, ar condicionado, lixeiras, nem cadeiras. Os lotéricos não se preocupam se quer em manter seus murais com as informações de valores de prêmios acumulados.

Aqui no Nordeste brasileiro, penso que o atendimento é mais humanizado pelo fato, de alguns funcionários e lotéricos, serem mais conhecidos e sendo, assim, se sentem na responsabilidade de oferecer pelo menos de vez, em quando um pequeno e simples sorriso.

Portanto, creio que os senhores usuários do sistema lotérico do Brasil precisam receber um melhor tratamento por parte da Caixa Econômica Federal, via lotéricos do Brasil.

Com a palavra o Diretor de Loterias da Caixa Econômica Federal.
 


Publicado em 13/10/2015 às 07:28

Irresponsabilidade Administrativa na Condução da Via Acessível

Até quando e até onde este país vai parir Presidentes, Ministros, Governadores, Secretários de Estado, Prefeitos e Secretários Municipais irresponsáveis e descomprometidos com as causas sociais e principalmente com os portadores de deficiências físicas, idosos, obesos e crianças?
Os programas governamentais que tratam do assunto “acessibilidade”, são de uma qualidade e de uma grandeza incomensuráveis, no entanto, são raros os agentes públicos que compreendem e absorvem a ideia de resolver tais problemas.

Tanto nas rodovias federais, nas estaduais e nas vias urbanas observa-se que os espaços públicos destinados a pessoas ainda são curtos, não havendo acostamentos, calçadas, rampas, nem se quer faixas para pedestres.

O Brasil vive assim, os estados vivem assim, os municípios pior ainda.
O programa social existe, está posto, mas, não há respeito, nem compromisso, nem responsabilidade dos comandantes, nem de seus comandados, são “todos” irresponsáveis neste e em outros tantos sentidos.

O voto popular, democrático, bem pensado, tecnicamente viável, que deveria ser um instrumento de tamanha grandeza, propulsor da ascensão funcional de determinadas pessoas que hipoteticamente merecem a confiança de muitos alguéns, passa a ser um instrumento de ascensão da irresponsabilidade de eleitos (presidente, governador, prefeito), descomprometidos com tudo e com todos.

Às vezes, fico a pensar, como andam esses caras de pau, ao circular, olhando as rodovias e vias, observando o risco de acidentes e acidentes com mortes, em que, eles, os agentes públicos descaradamente colocam e submetem os seus eleitores. No decorrer de todos os dias e das noites são inúmeros os cadáveres recolhidos pelos IML´s em todo Brasil, muitos deles pelas irresponsabilidades dos condutores, mas, a maior parte, se deve, a má e desorientada conduta na arte de administrar o bem público.

Quando descemos a ponta do iceberg, constatamos a péssima e má conduta dos prefeitos e dos secretários municipais ao conduzir os programas de acessibilidade aos humanos, pelo que vimos, nem podemos imaginar que eles também são humanos.

Os imóveis públicos, que deveriam servir de modelo para os demais setores econômicos e sociais, são construídos ou readaptados sem a menor produção acessível (não existem calçadas niveladas, rampas, corrimãos, banheiros acessíveis, nem corredores). Essas faltas se devem exatamente ao desconhecimento do que está se fazendo, descompromisso com a sociedade e, principalmente pelo descomando do agente público..., aquele que, na maioria dos casos, fora indicado sem nenhum pré-requisito para o exercício do cargo.

Nesta avaliação, constata-se que o grande culpado, o grande irresponsável, o grande “canalha” é o Chefe do Poder Executivo, seja federal, estadual ou municipal, que deveria compreender os limites de sua administração e cuidar melhor das pessoas.

É o que tenho a dizer agora.
 


Publicado em 22/09/2015 às 22:05

Pedreiro Vencedor

GENTE HUMILDE VENCENDO! É assim que eu apresento o mais novo Advogado de Arapiraca. Gilzo Ferreira Cavalcante, arapiraquense como tantos outros, nasceu predestinado a buscar sem cessar, com uma grande diferença: Gilzo Ferreira é filho do pedreiro Lourival Alves Cavalcante e da serviçal Antônia Ferreira da Conceição, que trabalhava diuturnamente para pagar a maioria das mensalidades da faculdade de seu filho.

O advogado vencedor tem 35 anos, é casado há 15 com Geilza dos Santos Cavalcante, donde nasceram dois filhos, foi agente comunitário de saúde no Conjunto Jardim das Paineiras, no Bairro Zélia Barbosa Rocha, onde mora há mais de cinco anos, foi servente de pedreiro por quatro anos e pedreiro por mais dois.

Gilzo, o Pedreiro, atualmente Advogado era focado nos estudos, tanto que passou no Exame da Ordem antes mesmo de concluir o 10º período de Direito.
Lembro muito bem, que na sala de aula o advogado vencedor vivia sempre buscando conhecimentos, não deixava os professores em paz, era sempre bem humorado e, se relacionava muito bem com seus colegas.

Atualmente Gilzo Ferreira, OAB nº 13767, trabalha nas áreas do Direito Previdenciário e, Trabalhista, no entanto sua grande vontade é a de enveredar em defesa dos Direitos Constitucionais dos Cidadãos que por motivos superiores e alheios as suas vontades cometem delitos e crimes.