19/04/2016 04:52 - Atualizado em 19/04/2016 05:01

Discursos despolitizados e fúteis

 

No domingo passado o Brasil assistiu: O maior show de discursos despolitizados e fúteis da sua história.

Nenhum voto efetivamente realizado em função de um Brasil melhor, da moralidade, da dignidade, da ética e da austeridade fiscal. “TODOS”, “pela minha esposa”, “minha tia Maria que já faleceu”, “meus filhos”, “meus netos”, “meu pai Jurandir que já faleceu” e “pelo meu filho Gabriel que ainda vai nascer”... voto sim, ou, voto não pela admissibilidade.

Apesar do povo brasileiro, ter acompanhado pelas redes de televisão 511 dos 513 deputados federais votarem em favor, contra e se abster de votar no impeachment contra a Presidente Dilma Russef, as pedaladas fiscais não cessaram, nem cessarão e continuarão ainda por muitos e longos anos, até que o Congresso Nacional RESOLVA melhorar, incrementar e formatizar um novo modelo de Sistema Contábil Público no Brasil.

A abertura do Processo de Impeachment contra a Presidenta Dilma foi politicamente autorizada por 367 votos dos 513 existentes na Câmara dos Deputados.
Coube ao Deputado Federal Bruno Araújo, do PSDB de Pernambuco, deflagrar o 342º voto em favor do impeachment e, assim, definir a abertura de tal procedimento, contudo, muitas são as opiniões contrárias a tal fato, inclusive a desse blogueiro, pois pedaladas fiscais no Brasil acontece hoje e agora na grande maioria das cidades brasileiras.

O povo brasileiro, ainda não está certo de que esse impeachment será um grande negócio para o reestabelecimento da ordem social e econômica, uma vez, que na ordem de sucessão presidencial está inscrito nomes de homens que somente enojam a política brasileira, com exceção do Presidente do Supremo Tribunal Federal. São nomes listados e fiscalizados pela Polícia Federal. São nomes conhecidos pela comunidade policial internacional, portanto, indignos de ascender a Presidência de um país de tamanha grandeza como o Brasil.

Qual a resistência moral do Vice-Presidente da República Michel Temer, do Presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, do Presidente do Senado da República Renan Calheiros e ocasionalmente dos Deputados Federais Russomano e, ou, Tiririca para ascender a Presidência da República Federativa do Brasil, em tempos de crise. Uns, moralmente indesejados, outros sem habilidade política e administrativa para tal fim. Onde vamos chegar? Avante Brasil!!!

Feliz a Nação cujo Deus é o senhor, palavras bíblicas. Deus seja louvado sempre em nome de Jesus Cristo.

Provérbios 29.4, “Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça.”
 
Somente Deus para socorrer o Brasil.