22/01/2018 12:11

LULA... LIVRE, LEVE E SOLTO

 

Não é preciso ser expert em direito penal para saber que as coisas na justiça brasileira anda de mal a pior. Não será surpresa para o povo brasileiro acordar no próximo dia 25 de janeiro sabendo que o homem que promoveu a maior festa com o dinheiro do povo brasileiro distribuído “socialmente” a alguns “íntimos amigos” ... está livre, leve e solto por decisão de uma corte superior.

Pelo andar da carruagem o juiz Sérgio Moro deve estar se preparando para subir ao camarote e assistir de perto ao desfile dos mais diversos tipos de “ladrões país afora” desfilando na “passarela dos abolicionistas das penas” uma tese, em desenvolvimento que será proposta em breve por juristas, estudiosos do direito que querem acabar de vez com o direito penal.

Não fosse o juiz Sérgio Moro e a imprensa, nenhum brasileiro saberia o tamanho da roubalheira e o mal que determinados partidos políticos estavam causando ao povo brasileiro. Foi preciso um “juizinho” como diz os parlamentares abdicar da sua liberdade de locomoção para adentrar na seara da busca aos “ladrões de colarinho branco”. Owww raça desgraçada, mesquinha, safada são esses “parlamentares” usurpadores do dinheiro público.

Todos os brasileiros sabem que no decorrer das madrugadas e muitas das vezes no clarão do dia “decisões majoritárias” estão sendo trabalhadas concomitantemente no mais alto escalão do executivo, do judiciário e do legislativo para minimizar ao máximo, ou, abolir de vez as penas dos que ao longo da vida, enquanto parlamentar, pura e simplesmente contribuíram para o desregulamento da economia do Brasil.

A “Justiça” que no baixo clero, está sendo elogiada pelo povo, e no clero mais elevado sendo vaiada, talvez, não se preocupe com as tais vaias e no dia 24 de janeiro, dia em que a história do Brasil terá a oportunidade de registrar em seus pergaminhos a maior das decisões judiciais em defesa do povo e contra a corrupção, continue a minimizar e a abolir penas de empresários e parlamentares tratados como “bombas atômicas”, verdadeiros “barris de pólvora”, capazes de detonarem e desmoralizarem com suas declarações, “aqueles” que os brasileiros, ainda acreditam que podem fazer alguma coisa pelo futuro do Brasil, que são os membros do Poder Judiciário (juízes e procuradores federais).

Oxalá que o Brasil no dia 25 de janeiro acorde mais alegre, mais contente e mais feliz e muito mais confiante na “Justiça do Mortais”, do contrário, aumentará nas mentes e nos corações da sociedade a ânsia pela vontade de viver num país mais justo e mais seguro em todos os sentidos e se revoltem, votando e elegendo os piores, a exemplo de muitos que são eleitos com milhões de votos da revolta, da insatisfação e da insegurança.