13/10/2015 07:28 - Atualizado em 13/10/2015 07:31

Irresponsabilidade Administrativa na Condução da Via Acessível

 

Até quando e até onde este país vai parir Presidentes, Ministros, Governadores, Secretários de Estado, Prefeitos e Secretários Municipais irresponsáveis e descomprometidos com as causas sociais e principalmente com os portadores de deficiências físicas, idosos, obesos e crianças?
Os programas governamentais que tratam do assunto “acessibilidade”, são de uma qualidade e de uma grandeza incomensuráveis, no entanto, são raros os agentes públicos que compreendem e absorvem a ideia de resolver tais problemas.

Tanto nas rodovias federais, nas estaduais e nas vias urbanas observa-se que os espaços públicos destinados a pessoas ainda são curtos, não havendo acostamentos, calçadas, rampas, nem se quer faixas para pedestres.

O Brasil vive assim, os estados vivem assim, os municípios pior ainda.
O programa social existe, está posto, mas, não há respeito, nem compromisso, nem responsabilidade dos comandantes, nem de seus comandados, são “todos” irresponsáveis neste e em outros tantos sentidos.

O voto popular, democrático, bem pensado, tecnicamente viável, que deveria ser um instrumento de tamanha grandeza, propulsor da ascensão funcional de determinadas pessoas que hipoteticamente merecem a confiança de muitos alguéns, passa a ser um instrumento de ascensão da irresponsabilidade de eleitos (presidente, governador, prefeito), descomprometidos com tudo e com todos.

Às vezes, fico a pensar, como andam esses caras de pau, ao circular, olhando as rodovias e vias, observando o risco de acidentes e acidentes com mortes, em que, eles, os agentes públicos descaradamente colocam e submetem os seus eleitores. No decorrer de todos os dias e das noites são inúmeros os cadáveres recolhidos pelos IML´s em todo Brasil, muitos deles pelas irresponsabilidades dos condutores, mas, a maior parte, se deve, a má e desorientada conduta na arte de administrar o bem público.

Quando descemos a ponta do iceberg, constatamos a péssima e má conduta dos prefeitos e dos secretários municipais ao conduzir os programas de acessibilidade aos humanos, pelo que vimos, nem podemos imaginar que eles também são humanos.

Os imóveis públicos, que deveriam servir de modelo para os demais setores econômicos e sociais, são construídos ou readaptados sem a menor produção acessível (não existem calçadas niveladas, rampas, corrimãos, banheiros acessíveis, nem corredores). Essas faltas se devem exatamente ao desconhecimento do que está se fazendo, descompromisso com a sociedade e, principalmente pelo descomando do agente público..., aquele que, na maioria dos casos, fora indicado sem nenhum pré-requisito para o exercício do cargo.

Nesta avaliação, constata-se que o grande culpado, o grande irresponsável, o grande “canalha” é o Chefe do Poder Executivo, seja federal, estadual ou municipal, que deveria compreender os limites de sua administração e cuidar melhor das pessoas.

É o que tenho a dizer agora.