28/10/2015 19:05 - Atualizado em 28/10/2015 18:12

Aconteceu Hoje

 

 Aconteceu na manhã dessa quarta feira, 28.10, mais uma seção de júri popular, dessa vez, o réu Johnny Feitosa, que no dia 01 de janeiro de 2009, na Rua Carlindo Quindino Pereira, sn, Bairro São Luiz, em Arapiraca, tentou assassinar a sua esposa a Srª Marcia Barbosa da Silva Feitosa, que na oportunidade recebeu três ferimentos de faca de serra.

O Júri foi presidido pelo MM. Juiz Dr. Jandir de Barros Carvalho, da 8ª Vara da Comarca de Arapiraca, que abriu a seção por volta das 9:00h. A Promotoria de Justiça foi representada pelo Dr. José Alves de Oliveira Neto, que, na oportunidade ministrou uma verdadeira e excelente aula de Direito Penal e Direito Processual Penal.

Na defesa, O Tribunal do Júri contou com a participação do Defensor Público Dr. Roberto Alan Torres de Mesquita, Professor de Direito do CESAMA/UNIRB, do aluno do 9º Período de Direito, Floriano Julião de Oliveira Filho a quem coube fazer a defesa do réu e, também do Bacharel em Direito Samoel Balbino de Melo, ambos, estudantes do CESAMA/UNIRB.

Aberta a seção o Dr. Jandir de Barros Carvalho passou a palavra ao Promotor de Justiça José Neto, o qual ao findar sua brilhante aula de direito e, também fazendo valer o direito, concluiu por pedir a absolvição do réu, que na oportunidade da execução do crime passava por problemas mentais.

Passada a palavra ao membro da Defensoria Pública Dr. Roberto Torres, este, saudou os presentes, teceu comentários elogiosos aos membros da Justiça e, confiante nos depoimentos da vítima que relatou sobre os acontecimentos e, disse não ter interesse na condenação do réu, assim como, do réu que também respondeu as perguntas do MM. Juiz, fez seu relato e, se mostrou alheios aos acontecimentos, passou a palavra ao Assistente de Defesa, o estudante Floriano Julião de Oliveira, que, brilhantemente e pausadamente exerceu seu direito de bem defender seu cliente e acabou por abrilhantar seu discurso em defesa de um homem que na oportunidade não exercia suas faculdades mentais a contento, vindo cometer o crime e, assim  pediu sua absolvição.

Réu Julgado, réu absolvido e solto. O veredito foi proferido pelo Juiz Dr. Jandir de Barros.