Notícias / Política


Imprimir notícia

11/08/2018 12:40 - Atualizado em 09/08/2018 12:42

'É só comparar Murici com Junqueiro para ver os feitos' , diz Biu de Lira

 

Em um bate-papo com a população na cidade de Cajueiro, do qual eu fui o mediador, o senador Benedito de Lira (PP) começou campanha eleitoral afiado para cima do principal rival: o senador Renan Calheiros (MDB). Ambos tentam a reeleição ao Senado Federal, em uma disputa acirrada que ainda conta com os nomes do deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB) e o deputado federal Maurício Quintella (PR), dentre outros candidatos.

Benedito de Lira foi indagado, por uma das pessoas, sobre suas ações nos municípios alagoanos. Todavia, não focou apenas na prestação de contas de seu mandato. Após falar sobre emendas conseguidas para ações em diversas cidades, destacou sua preocupação com sua cidade natal: Junqueiro.

Lira aproveitou para alfinetar o senador Renan Calheiros, ao insinuar que o presidente do Congresso esteve por tantas vezes no comando do poder em Brasília (DF), mas não olhou para sua cidade de origem. “É só comparar Murici (terra natal de Calheiros) com Junqueiro para ver os feitos. Junqueiro vai dar de 10 a zero”. O pepista não citou o emedebista, mas para bom entendedor basta apenas algumas poucas palavras.

O embate entre Benedito de Lira e Renan Calheiros se estende desde as eleições passadas. Em 2014, Benedito de Lira foi candidato ao governo do Estado de Alagoas e perdeu ainda no primeiro turno para o atual governador Renan Filho (MDB), que busca a reeleição. Do outro lado do palanque, na disputa pelo Executivo, está o senador Fernando Collor de Mello (PTC), que tem o apoio de Benedito de Lira.

É uma disputa eleitoral que envolve os três senadores da República: Benedito de Lira, Renan Calheiros e Fernando Collor. Os três enfrentam - junto a opinião pública - desafios semelhantes, já que o trio foi citado na lista de investigados da Operação Lava Jato. Não se trata de prejulgamentos, nem de avaliação de mérito, mas de um fato: isto acaba por ter impacto político e deve ser explorado no andar da campanha eleitoral.

O tom do palanque de Collor deve ser mais agressivo, ao que tudo indica.

O evento, ocorrido na noite de ontem, foi promovido pelo deputado estadual Bruno Toledo (PROS), na cidade de Cajueiro. Tratou-se de um bate-papo onde as perguntas foram feitas pelo público.

Sobre os municípios citados, ambos possuem os problemas da maioria das cidades alagoanas: a dependência administrativa e política, até mesmo em função do pacto federativo brasileiro. Além disso, regiões que - infelizmente - ainda são tratadas por redutos por seus caciques eleitorais, na tradicional forma de se fazer política em Alagoas. Isto, por si só, abre espaço para criticar ambos os lados, ainda que existam aqui e ali realizações.

No mais, apesar das emendas orçamentárias terem importância, pois acabam trazendo equipamentos públicos e infraestrutura para os municípios, não é segredo que fazem com que alguns mandatos no Congresso Nacional se tornem “office-boys” de luxo. O Senado e a Câmara de Deputados possuem outras funções, como as discussões de temas mais profundos para a mudança da realidade do país, como - entre elas - a revisão do pacto federativo para dar maior autonomia às administrações municipais, o que seria o início do fim de um ciclo vicioso.


Fonte: Cada Minuto
Texto: Lula Vilar 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.