Notícias / Mundo


Imprimir notícia

13/01/2022 17:42 - Atualizado em 13/01/2022 17:45

Agência de notícias denuncia pressão para sair de Cuba

Agência espanhola afirma que governo tem gerado entraves à permanência da empresa de notícias 

A presidente da Efe, Gabriela Cañas, lamentou nesta quarta-feira (12) que pareça que o governo de Cuba esteja “expulsando” a agência espanhola com a retirada das credenciais de seus jornalistas em Havana. Ela afirmou que a empresa começou a estudar como manter presença no país caribenho.

Cañas fez as declarações durante participação em um fórum organizado em Madri pela Nueva Economía. Ela destacou que “quase 50% das notícias” publicadas na América Latina sobre Cuba são procedentes da Efe, que está no país há quase cinco décadas, e argumentou que “talvez essa repercussão” não agrade ao governo cubano.

– Estão nos expulsando de Cuba. Não podemos atualmente, com apenas dois jornalistas, manter os padrões de qualidade que a Agência Efe oferecia até o momento no país. É muito triste – declarou.

Por isso, Cañas advertiu que a empresa está analisando possibilidades.

– Estamos começando a considerar nossa permanência na ilha. Não podemos exercer o jornalismo livremente – ressaltou a presidente da Efe, além de acrescentar que a agência não tem qualquer interesse em deixar Cuba, mas talvez seja necessário “informar a partir de fora”.

Cañas assegurou que “infelizmente” a situação com o governo cubano não foi resolvida, apesar do apoio diplomático do Poder Executivo espanhol. Enquanto em meados de 2021 havia sete jornalistas da agência trabalhando em Havana, agora apenas dois – uma redatora e um cinegrafista – contam com credenciais de imprensa.

ENTRAVES BUROCRÁTICOS
As complicações para a agência tiveram início quando o governo cubano começou a adiar, sem explicações, a concessão de um visto de imprensa para o novo delegado da Efe, que foi nomeado em julho do ano passado, mas ainda não conseguiu entrar no país.

Além disso, conforme acrescentou Cañas, o Centro de Imprensa Internacional retirou, em novembro, as credenciais de todos os profissionais da Efe em Cuba. “Ficamos sem testemunhas na ilha”, frisou.

E a entidade cubana devolveu duas credenciais horas depois, mas desde então a situação estagnou. Havana garantiu que devolveria as licenças “de boa vontade”, como a Efe publicou em novembro, mas até agora isso não aconteceu.

– Já pedimos mil vezes que nos deixem trabalhar lá – afirmou Cañas.



Pleno.News 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.