Notícias / Cultura


Imprimir notícia

07/07/2022 07:31 - Atualizado em 07/07/2022 07:32

Artista plástico arapiraquense lança exposição que retrata devastação do meio ambiente

 

O artista plástico arapiraquense, Cícero Brito, irá comemorar os 30 anos de carreira dedicados a retratar a natureza e os impactos da destruição humana no meio ambiente em uma nova exposição com 30 telas, em alusão aos 30 anos. A exposição “Humanoceno: Demasiado Sapiens”, estreia na próxima sexta-feira (08), na Casa da Cultura, localizada na Praça Luiz Pereira Lima.

Cícero Brito fez sua primeira tela em 1970 e mesmo passando alguns períodos afastado das telas, tintas e pincéis, tem se dedicado à arte mais intensivamente desde os anos 90.

A primeira exposição da sua carreira veio com a sugestão do empresário arapiraquense, José Matias Irmão, viu suas obras e sugeriu expô-las para o público. A Eco Inspiração estreou em 1991 com 20 telas que já abordavam a pauta ecológica.

A “Humanoceno: Demasiado Sapiens” contará com 30 telas do artista com a curadoria de Judivan Lopes. A maioria das obras já estão vendidas. Para o artista, essa é uma das provas do reconhecimento do seu trabalho e de seu talento.

“Nesse período de 30 anos, eu fiquei sempre expondo, já expus em Garanhuns, em Maceió, na Casa da Cultura, coletivamente e muitas individuais. Nesses 30 anos eu nunca parei de expor e sempre nessa temática ecológica, da não devastação, as questões indígenas, demarcação de terra. Além dos animais em extinção, eu procuro sempre deixar em evidência, cavalo marinho, ararinha azul, baleias. Nas minhas telas eu faço o alerta ecológico, mas ao mesmo tempo é um convite, não é aquele negócio morto, muito preto e cinza. Eu retrato a devastação, mas com vida, porque ainda existe vida ali”, explica o artista sobre a escolha da temática.

Suas obras valorizam a cor e retratam a ambiguidade da destruição e da vida que ainda permanece mesmo nos ambientes mais inóspitos, explorando o surrealismo que teve como precursor Salvador Dalí. Entre as suas inspirações, está o artista plástico que foi vereador por Arapiraca, Ismael Pereira, responsável pelo mural artístico que retrata o ciclo do fumo de Arapiraca e que recentemente foi retirado do Clube dos Fumicultores.

Ao ser questionado se pretende migrar para outra temática ou trabalhar com tema livre, Cícero Brito, revela que não, pois gosta do tema, acredita que é algo que sempre tem coisa nova e já criou uma relação com o público que já reconhece suas telas pelas características delas.

Economista e servidor público federal, Cícero Brito revela que já tem planos para o futuro. Prestes a se aposentar, quer aproveitar para se dedicar ainda mais à arte e não esconde a vontade de permanecer aprendendo e aprimorando sua técnica, além de poder ensinar a quem queira aprender a pintura.

“A gente está sempre aprendendo, tenho 50 anos de artes, mas eu pretendo sempre aprimorar, aprender, fazer alguns cursos e também pretendo dar aulas de pintura, fazer oficinas. Outra coisa também que eu pretendo, é quando eu me aposentar, é inaugurar uma galeria de artes pra mim, que Arapiraca não tem”. A reivindicação por um espaço adequado para exposições dos artistas locais é uma pauta levantada pela classe há bastante tempo. “Eu já venho batendo na tecla há muito tempo, que para os artistas é muito importante ter uma galeria de arte, que represente Arapiraca e os artistas, porque pegar qualquer espaço pra isso não adianta, tem que ser um espaço bem bacana, com iluminação adequada e que valorize os artistas”.

Cícero Brito faz parte da Galeria de Artes de Arapiraca que conta com 15 artistas plásticos que se reúnem para realizar exposições coletivas. Entre as atividades do coletivo, está o “Invasão da Arte” em que os artistas pintavam suas telas no Mercado do Artesanato ao vivo para as pessoas que passavam no local. Aos poucos despertou a curiosidade de adultos e crianças que paravam para ver a arte acontecendo e procurar oficinas. A expectativa é de que os artistas criem a Associação dos Artistas Plásticos de Arapiraca para tratar as questões e projetos coletivos da classe.

Entre as exposições coletivas, Cícero destaca a que homenageou os 97 anos de Arapiraca e reuniu diversos artistas como Cicero Dario, Higor Rafael, Adeval Soares, Evoneide Lima, Edimário Calixto, Laércio Moreno, Jackson Lima, Edson Siqueira, Marcelo Mascaro, Dija e as irmãs Petuba, para homenagear a capital do Agreste.


ArapiracaNews 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.