Notícias / Polícia


Imprimir notícia

12/02/2021 07:48 - Atualizado em 12/02/2021 07:50

Eike Batista é condenado a 11 anos de prisão e a pagar R$ 871 milhões

 

A 3ª Vara Federal Criminal do Rio condenou Eike Batista a 11 anos e 8 meses de prisão pelos crimes de manipulação do mercado de capitais e uso de informação privilegiada. O empresário também terá que pagar R$ 871 milhões de multa, segundo a decisão.

Eike pode recorrer da decisão. A GloboNews entrou em contato com a defesa de Eike e aguarda resposta.

Na sentença, a juíza Rosália Monteiro Figueira, da 3ª Vara Federal Criminal do Rio, escreveu que Eike “demonstrou fascínio incontrolável por riquezas, ambição sem limites que o levou a operar no mercado de capitais de maneira delituosa, com extremo grau de reprovabilidade” com o objetivo de obter “lucro fácil ainda que em prejuízo da coletividade, ‘acreditando’ em seu poder econômico e na impunidade que grande mal tem causado à sociedade brasileira”.

A denúncia do Ministério Público Federal diz que Eike utilizou de informações relevantes, ainda não divulgadas ao mercado, obtendo lucros indevidos com a venda de ações da sua petroleira OGX em período em que os investidores tinham expectativas positivas em relação à empresa, baseadas em informações otimistas (divulgadas por ele próprio), mas que depois se revelaram enganosas.

O MPF afirma ainda que Eike divulgou um acordo conhecido como “put option”, segundo o qual o empresário se comprometia a aportar cerca de 1 bilhão de dólares na OGX, omitindo, intencionalmente, circunstância que lhe permitia se desobrigar desse investimento. De fato, o aporte nunca ocorreu. Com isso, ele teria induzido os demais investidores em erro quanto à precificação das ações da OGX, obtendo vantagem ilícita.

Os crimes teriam sido cometidos em 2013. A denúncia do MPF foi ajuizada em 2014.

A juíza Rosália Monteiro Figueira registrou na sentença que a demora no julgamento do caso se deu por causa da suspeição, decretada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), do juiz Flávio Roberto de Souza, que foi o primeiro responsável pela ação penal.

Em 2015, Flávio Roberto foi flagrado dirigindo o Porsche de Eike Batista, que tinha sido apreendido por ordem do magistrado.

Terceira condenação

Esta á a terceira condenação de Eike Batista pela 3ª Vara Federal Criminal por crimes contra o mercado de capitais. Somadas, as penas chegam a 28 anos de prisão.

Além disso, Eike já foi condenado a mais 30 anos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no processo da Operação Eficiência, desdobramento da Lava-Jato.

Em novembro do ano passado, a a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, homologou o acordo de delação premiada de Eike Batista, celebrado com a Procuradoria Geral da República. O empresário se comprometeu a pagar uma multa de R$ 800 milhões.

O acordo foi enviado ao STF porque o empresário envolveu autoridades com direito a foro no tribunal nos depoimentos aos investigadores.

Prisões

O empresário, que chegou a ser um dos homens mais ricos do Brasil, recorre em liberdade, mas já chegou a ser preso duas vezes em operações Lava Jato.

Na mais recente, em 2019, ficou dois dias detido até ser beneficiado por um habeas corpus.


G1 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.