Notícias / Economia


Imprimir notícia

10/01/2018 09:35 - Atualizado em 10/01/2018 09:37

Inflação deve seguir comportada em 2018 mesmo sem ajuda de alimentos

 

O grande responsável pela inflação baixa em 2017 foi mesmo o grupo alimentação, trajetória que, segundo especialistas, não deve se repetir em 2018.

O grupo alimentação e bebidas representa quase 25% do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e registrou queda em pelo menos oito de 11 meses em 2017.

Ainda que esse movimento não se repita neste ano, a expectativa é que os preços no geral sigam comportados, o que pode ser constatado nas projeções dos economistas consultados pelo Banco Central.

No início da semana, eles previam alta de 3,95% para a inflação medida pelo IPCA em 2018, o que, confirmado, seria o quarto menor percentual desde o início do Plano Real.

Só perderia para os anos de 1998 (+1,65%), 2006 (+3,14%) e o próprio 2017 (+2,95%).

Na virada de 2016 para 2017, esses mesmos economistas estavam bem menos otimistas.

Eles esperavam uma inflação de quase 5% para 2017 e, para 2018, a alta prevista era de 4,5%.

Ao justificar por que foram surpreendidos, muitos desses especialistas gostam de citar a atuação austera do Banco Central sob o comando de Ilan Goldfajn no manejo dos juros e no controle das expectativas do mercado.

Fato é que foram pegos de surpresa sobretudo pela trajetória dos preços de alimentos, grupo que indica mais ou menos para onde vai o índice.

HISTÓRICO

Uma olhada mais longa na série histórica do IPCA deixa isso mais claro.

Após o Plano Real, muito da trajetória do IPCA nos anos seguintes se deveu aos alimentos.

Em 2002, por exemplo, o descontrole dos alimentos teve influência significativa sobre a alta de 12,53% do IPCA. Já em 2006, foi a safra agrícola extraordinária que permitiu que os preços encerrassem aquele ano em alta de 3,14%.

Mesmo em 2015, quando a inflação subiu mais de 10% influenciada pelos preços monitorados pelo governo, como luz e combustíveis, o forte choque agrícola teve a sua contribuição para o quadro ruim.

Mas ainda que o ciclo de deflação deste grupo tenha se encerrado, isso não significa que os preços voltarão a subir com força.

A economia em recuperação gradual e o fraco mercado de trabalho continuam a favorecer uma inflação comportada por mais tempo –daí as projeções abaixo de 4% para 2018.

Há temores em relação aos efeitos de um cenário externo (ou interno) mais atribulado sobre o câmbio, e consequentemente sobre a inflação. Mas, por enquanto, não são significativos.

Para além de 2018, a incógnita é se estamos ou não em um "novo normal" em termos de preços. Não custa lembrar que já vimos esse quadro antes.


Folha 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.