Notícias / Polícia


Imprimir notícia

03/01/2020 09:23 - Atualizado em 03/01/2020 09:27

MP instaura investigação contra promotor suspeito de atirar em caixa de som

 

O procurador-geral de Justiça em exercício, Márcio Roberto Tenório de Albuquerque, instaurou procedimento investigatório criminal para apurar crimes de disparo de arma de fogo e dano supostamente praticados pelo promotor Adriano Jorge Correia de Barros Lima, na noite do Réveillon. Segundo a polícia, o integrante do Ministério Público (MP) foi levado à Central de Flagrantes após ter invadido um domicílio vizinho à casa dele, no condomínio Aldebaran Beta, em Maceió, e atirado em uma caixa de som.

A portaria com a medida adotada pelo órgão ministerial foi publicada na edição desta sexta-feira (3) do Diário Oficial Eletrônico do Ministério Público do Estado de Alagoas. A publicação informa que o procedimento vai ser conduzido em caráter sigiloso pelo próprio procurador-geral de Justiça em exercício, o único que tem prerrogativa legal para investigar membros do MP. A investigação seria tocada pelo procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, se este não se encontrasse de férias.

Para adotar esta providência, o procurador Márcio Roberto considerou todas as informações que foram publicadas na imprensa. Ele já adianta que vai apurar a suposta prática dos crimes de disparo de arma de fogo e dano, ambos tipificados no Código Penal Brasileiro, por parte do promotor Adriano Jorge.

O chefe em exercício do MP enviou ofício ao delegado-geral da Polícia Civil de Alagoas (PC/AL), Paulo Cerqueira, requerendo cópias do relatório do flagrante confeccionado na madrugada do dia 1º de janeiro. A direção da PC tem cinco dias para reunir a papelada e enviar ao procurador-geral de Justiça. O Boletim de Ocorrência (BO) foi assinado pelo delegado Alexandre César, que estava de plantão na Central de Flagrantes, na noite da virada.

A Corregedoria Geral do MP também foi avisada da medida. O setor ainda pode adotar medidas administrativas e informar o caso à Corregedoria Nacional do Ministério Público.

Para decretar o sigilo do procedimento investigatório criminal, Márcio Roberto considerou a natureza e a gravidade dos fatos atribuídos ao promotor de Justiça a serem esclarecidos, além da primazia do interesse público.

CONDOMÍNIO

O corpo jurídico do condomínio Aldebaran Beta vai notificar, por escrito, o promotor de Justiça Adriano Jorge por invadir o imóvel e atirar, pelo menos, oito vezes na caixa de som. Outras medidas, algumas delas jurídicas, estão sendo estudadas pela administração do condomínio para se evitar fatos semelhantes.



Gazetaweb 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.