15/07/2018 11:49 - Atualizado em 11/07/2018 11:56

Presença é tudo que ela espera, ausência é tudo que ela tem

 

AVELHA, espetáculo ganhador de dois prêmios: o nacional Myriam Muniz de Teatro/2014, promovido pelo Governo Federal através da FUNARTE, e o municipal Edital das Artes Prêmio Eris Maximiano/2015, promovido pela prefeitura através da
Fundação Municipal de Ação Cultural -FMAC.

A direção de AVELHA é de Flávio Rabelo, diretor e performance alagoano radicado em Diamantina –MG. Ele também assina a dramaturgia em coautoria com a atriz e com o escritor Tainan Costa Canário.

Através do tema da velhice, a peça aborda questões ligadas à memória, ao esquecimento e à imaginação. Em cena, Ivana Iza interpreta uma atriz que, envelhecida, vê a si mesma, solitária e confusa, a rememorar sua carreira enquanto comenta sobre o envelhecer do corpo do artista e as suas relações familiares. A dramaturgia flerta com a metalinguagem ao explorar os limites e nuances entre atriz e personagem, criando uma atmosfera lúdica que transita tanto na comicidade quanto no drama.

“Numa sociedade extremamente consumista e fissurada nos ideais de juventude eterna, problematizar a noção do velho é uma urgência e um desafio de produção de outras subjetividades sobre o assunto. É duvidar dos clichês, desviar das armadilhas e deslocar os afetos no enfrentamento da passagem do tempo. Sem eufemismos ou romantizações, precisamos investir sobretudo na criatividade e na imaginação. Se a vida é sonho, é na velhice e na arte que podemos usufruir com intensidade os nossos delírios. E que eles sejam doces e suaves”, provoca o diretor Flávio Rabelo.

Em AVELHA, o público terá a oportunidade de encontrar o trabalho da atriz alagoana Ivana Iza, que tem em AVELHA a presença de nomes importantes no teatro nacional. Amir Haddad, um dos maiores diretores teatrais da América Latina, assina a supervisão de direção, e Clarice Niskier, atriz e diretora ícone do teatro nacional, assina a supervisão de dramaturgia.