Notícias / Alagoas


Imprimir notícia

01/12/2019 11:20 - Atualizado em 01/12/2019 11:21

Renan Filho utiliza redes sociais do governo para promover imagem pessoal

 

Além da encrenca em que se meteu na Operação Lava Jato, no inquérito que investiga o esquema milionário de propina na campanha eleitoral de 2014, o governador Renan Filho (MDB) vai precisar se explicar, também, aos Ministérios Públicos Estadual (MPE) e Federal (MPF) após o deputado Cabo Bebeto (PSL) denunciar que ele usa a verba publicitária paga pelo alagoano para atacar o governo federal. Outra denúncia que ele vai enfrentar é a de usar as redes sociais de pastas e órgãos estaduais para promover a imagem pessoal.

O deputado Davi Maia (DEM) chamou a atenção para o uso recorrente e do caráter pessoal que Renan Filho emprega nas redes sociais das pastas. Ele lembrou que, ao longo dos meses, o governador - que prega austeridade e arrocho contra o funcionalismo - torrou mais de R$ 20 milhões com propaganda. O artigo 37º da Constituição Federal dispõe que a propaganda e a publicidade devem ter o caráter meramente educativo e informativo.

Conforme o deputado, "a propaganda de Renan Filho é para vender uma Alagoas que só existe nas redes sociais". "Este ano o governo já gastou mais de R$ 20 milhões para vender algo que só existe na propaganda. Gostaria de morar no Instagram do governador. Eles estão utilizando as redes sociais de órgãos a fim de fazer propaganda pessoal, para dizer que está trazendo benesse como o pagamento do 13º salário, o que é um direito do trabalhador. Esse governo está despirocado. Não tem mais o que mostrar", reagiu Davi Maia.

Após o deputado denunciar o uso ilegal das redes pelo governador, a Gazeta fez uma pesquisa em alguns perfis de pastas e encontrou a promoção pessoal do governador em posts na Secretarias da Fazenda (Sefaz), da Saúde (Sesau), do Instituto do Meio Ambiente (IMA), entre outros. Mesmo com a denúncia da ilegalidade do parlamentar feito no plenário da Assembleia Legislativa Estadual (ALE), até agora o Ministério Público não se manifestou sobre o caso.

ATAQUE A BOLSONARO

No início da semana, foi protocolado no Ministério Público Federal (MPF) a primeira denúncia de improbidade administrativa do governo Renan Filho. A ação - proposta pelo deputado Cabo Bebeto - acusa o governo do estado de no uso de suas atribuições de divulgar ações governamentais com recursos públicos, também desferir ataque com teor ideológico e político à Presidência da República.

A denúncia se baseia no conteúdo de uma propaganda institucional do governo de Alagoas para área do Turismo. O foco são os investimentos, a geração de emprego, a presença de visitantes e a capacidade de Alagoas avançar ainda mais na área. Entretanto, na reta final do texto recheado de imagens bem produzidas, inclusive aéreas, para mostrar a dimensão dos empreendimentos hoteleiros, surge a mensagem: "enquanto o Brasil caminha para trás, Alagoas caminha para frente".

GASTOS MILIONÁRIOS

Não é a primeira vez que a área de propaganda - que tem orçamento estimado em R$ 100 milhões este ano - é alvo de questionamentos. O PSL em Alagoas, presidido pelo policial federal Flávio Moreno, acionou os órgãos de controle solicitando a investigação de Renan Filho sobre supostas irregularidades e valores "exorbitantes" torrados com publicidade e promoção pessoal. O PSL questiona ainda a impessoalidade que a lei exige para os gestores.


Gazetaweb 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.