Notícias / Esporte


Imprimir notícia

07/07/2018 08:17 - Atualizado em 07/07/2018 08:28

Time perdeu, pois não sabia perder

 

Um paradoxo: com um grupo recheado de jogadores com rodagem nos principais campeonatos do mundo, sobretudo o principal deles, a Liga dos Campeões da Europa, o time nacional fracassou na Copa do Mundo porque... não sabia mais perder.

Tite completou dois anos à frente da seleção, mas até esta sexta-feira seus comandados só haviam amargado uma derrota, diante da Argentina, em amistoso disputado na Austrália e que acabou 1 a 0. E, nesse período todo, em somente outra ocasião o time começou atrás no marcador: foi na goleada por 4 a 1 sobre o Uruguai, já no returno das Eliminatórias.

O próprio treinador da seleção afirmou, inúmeras vezes, que gostaria de testar o Brasil em condições adversas. “Gostaria de ver a reação da equipe após sair atrás do marcador”, disse Tite, certa vez. Nesta sexta, ele teve essa oportunidade, e a experiência, como vimos, foi dolorida. O time se desesperou após o gol contra de Fernandinho, falhou no contragolpe que originou o segundo gol, e aí se obrigou a jogar todo o segundo tempo na base do abafa. Não deu.

O Brasil caiu fora da Copa em circunstâncias relativamente normais, ao menos para o que nos acostumamos nas duas últimas décadas. Perder para a Bélgica, hoje em dia, não é nenhum absurdo. A decantada “talentosa geração” tem jogadores de ótimo nível, foi melhor no conjunto da obra e abateu um time que, nos últimos dois anos, não aprendeu a perder.

Pena que, no contexto das duas últimas décadas, ainda não reaprendeu totalmente a ganhar.



Estadão de São Paulo 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.