13/06/2018 11:19 - Atualizado em 13/06/2018 11:21

Trump está confiante que Kim irá “cumprir” compromissos estabelecidos

 

Após seu encontro com Kim Jong-un em Singapura, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou estar confiante de que a Coreia do Norte irá “cumprir” com os compromissos estabelecidos na declaração assinada entre as duas partes nesta terça-feira (12).

“Ele foi muito firme no fato de que quer fazer isso”, disse. “Eu acho que ele quer fazer isso tanto quanto ou até mais que eu.”

Trump participou de uma coletiva de imprensa antes de voltar aos Estados Unidos. O presidente anunciou que, além dos comprometimentos com a desnuclearização e paz estabelecidos pela declaração conjunta assinada mais cedo, Kim também assumiu a responsabilidade de destruir um de seus centros de testes de mísseis.

O presidente disse ainda que os dois países estão “preparados para começar um novo capítulo na história das duas nações”. Trump classificou suas negociações de mais de 4h com Kim como “honestas, diretas e produtivas”.

Contudo, o republicano reconheceu que a desnuclearização completa da Coreia do Norte pode demorar. “Cientificamente, temos que esperar um certo período de tempo”, disse.

Ele afirmou que o processo que levará ao fim do programa nuclear de Pyongyand irá começar “logo” e acrescentou que as sanções internacionais contra a Coreia do Norte só serão removidas quando a desnuclearização for alcançada.

Trump disse que visitará Pyongyang ‘em um determinado momento’, mas não especificou uma data. O republicano acrescentou que o líder norte-coreano aceitou o convite para visitar a Casa Branca, mas que isso irá acontecer ‘no momento apropriado’.

Direitos humanos
Durante a coletiva, Trump foi questionado sobre o descumprimento dos direitos humanos na Coreia do Norte. O presidente afirmou que o assunto foi discutido. “Eles farão coisas. Ele quer fazer a coisas certa”, disse.

Trump ainda voltou a insistir que Kim que é um negociador inteligente e um líder “muito diferente”, apesar das muitas críticas em relação ao ditador e suas políticas cruéis com seu próprio povo.

Força militar americana
O líder americano afirmou que os Estados Unidos irão interromper os “jogos de guerra”, uma aparente referência aos exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul que Pyongyang considera provocativos.

A suspensão das manobras militares da península significará “uma tremenda economia” para os Estados Unidos, segundo Trump, que também classificou estes exercícios como “provocativos”, durante sua entrevista

Trump disse ainda que espera eventualmente retirar os soldados americanos da Coreia do Sul, mas ressaltou que “isso não faz parte da equação neste momento”.



Veja