Notícias / Política


Imprimir notícia

26/06/2020 08:26 - Atualizado em 26/06/2020 08:29

TSE usa a pandemia para manter no cargo o prefeito que cassou por corrupção

 

O prefeito de Presidente Figueiredo (AM), Romeiro Mendonça, é um prodígio. Cassado no TRE e TSE, em razão de patifarias na campanha de 2016, tem o incrível “talento” de se manter impune. Em abril, obteve do ministro Luiz Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral, sua recondução ao cargo vinte dias depois de afastado.

Alegou “pandemia”, apesar de o substituto estar apto à guerra contra o Covid. Além disso, a condenação por improbidade e corrupção foi endossada pelo TSE. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O Ministério Público Eleitoral Apelou contra sua recondução em 27 de maio, na luta para afastar Romeiro Mendonça dos cofres públicos.

Salomão tem retirado o processo da pauta. Se o TSE não julgar o caso na terça (30), isso pode garantir o prefeito ímprobo, no cargo, até o fim.

Ao reassumir, o prefeito condenado por improbidade mandou fazer uma piscina de R$517 mil, em plena pandemia que tanto preocupa o ministro.

O desatino do prefeito com a rica piscina fez o procurador Ruy Marcelo Mendonça requerer “ampla investigação” e a suspensão da obra.


Diário do Poder 


Deixe seu comentário

PREENCHA SEUS DADOS ABAIXO

Suas informações pessoais não serão divulgadas.


Comentários 0

Ainda não há comentários nesta matéria.