20/05/2015 17:43 - Atualizado em 20/05/2015 17:51

UM PASSADO ATUAL

O cenário político do Brasil está em ruínas, pois antes da fumaça sempre há muito fogo.

O congresso brasileiro e as Assembléias Estaduais mostram que as conspirações e os conchaves dos antigos romanos eram coisas de jardim da infância e brincadeiras históricas. E que a busca pelo poder e prestigio ainda é a fome que eles buscam saciar. O povo é apenas um detalhe que só é lembrado a cada dois anos, quando se é distribuídos migalhas de respeito e dedicação aos anseios e carências exposta a cada instante pela sociedade. São usados e excretados a cada biênio e sem respeito algum aos eleitores propagam seus milagres assistencialistas como metralhadoras e seu fogo mortal.

Mas o povo também tem seu quinhão quando se fala em culpados, alguns veneram o poder e se embriagam  ao ter contato com os corruptos poderosos, algo que só a psicologia e psiquiatria poder explicar. Outros nas carências do cotidiano buscam as migalhas e favores distribuídos por eles, já que o poder público lhe priva dos direitos e eles são obrigados a dever favores em troca da gratidão que se é cobrada nas eleições. 

Até quando o povo provará desse veneno e ficará em silencio? Quanto desse povo será conivente a esses abutres e se tornarem  unicamente peças de manobras políticas, moedas de troca entre políticos, favores políticos e tapinhas nas costas? Quanto desse povo se decepciona com seus escolhidos após cada eleição e, na seguinte, volta a repetir os velhos vícios eleitoreiros? Quando terão a decência e perceber que só com a renovação e a oxigenação da política é que podemos mudar o quadro atual? Não podemos lavar as mãos com a água suja e podre que está acumulada em um recipiente vicioso.

Não se precisa de reformas políticas que são articuladas longe do alcance do povo,   que são negociadas nos corredores e gavetas do Congresso Nacional, se carece de renovação política urgente. É Precisa que se faça uma faxina geral e substitua todos os políticos de carreira, é preciso que oxigene a política do País e coloque gente nova para assumir os cargos eletivos, é preciso que esses novos representantes do povo não sejam ligados aos caciques e coronéis que dominam a política local e nacional. É preciso que esses novos representantes não venham dos quintais e salas de reunião das Casas Grandes da política, é preciso  que eles venham com independência política e não sejam apadrinhados e afiliados políticos dos chefões da velha política do Brasil.

Quantos Brutos e quantos Césares existem no atual sistema político do Brasil?  Sem saber quem e quais são, só uma certeza é  verdadeiramente real: a que o povo é o único traído e por ser grandiosamente indefeso vive no obscuro silencio da passividade.