17/02/2016 00:41 - Atualizado em 16/02/2016 23:48

E sobre a desmilitarização?

 

Muito tem se falado sobre este assunto, mas para a sociedade civil quais realmente são as vantagens e desvantagens, abordarei a seguir alguns aspectos sobre essa controvérsia, aspectos estes que ainda não foram abordados ou por um conveniente esquecimento ou por falta de interesse real pelo o assunto, que por vezes vejo abordagens apenas oportunistas e de momentos pontuais para autopromoção entre simpatizantes do tema.

Para inicio de conversa! As policias no Brasil são realmente militares? Ou se apoiam numa forma caricata do militarismo, existentes nas forças armadas? Pois estes se apoiam em regulamentos que são seguidos em sua íntegra e não como nas policias militares onde o regulamento é usado de forma a sempre beneficiar ou alimentar o ego de superiores. Sendo que com o advento dos Direitos Humanos essa prática foi reduzida consideravelmente, mas continua sendo comum relatos da mesma entre os policias militares. Ainda cabe salientar que não importa ser militar ou não, apenas através da valorização do profissional de segurança publica, que por muitas vezes se ver criminalizado pela sociedade e de igual forma pelo judiciário onde a presunção de inocência é simplesmente esquecida.

Ate mesmo entre os próprios policiais militares a muitas discursões sobre o assunto, onde basicamente são formados dois grupos: os “Praças” que defendem e os oficiais que em grande parte são contra, situação natural, pois a desmilitarização ocasionaria na perda de alguns mimos como (continência e o famoso sim senhor).

A militarização hoje se mostra como um empecilho ao bom andamento do serviço e também uma barreira nas relações entre policia e sociedade, por muitas vezes os policiais são obrigados a seguir ordens que claramente não condizem com a realidade, mas o subordinado que convive com a população e dispõe de informações que poderiam ajudar nessas relações, se ver impedido de expressar sua opinião, pois no militarismo seria acusado de estar questionando o superior, que numa visão interna e resumida “só o superior tem informações que podem servir para orientar operações”. Outro fato comum é a abertura de cursos na área do direito, mas apenas oficiais podem ser escritos, é claro que isso não restringe o conhecimento, mas sim sua oficialização, pois o subordinado superar seu superior em nível intelectual não seria de bom tom, Dessa forma a desmilitarização pode significar para alguns, perda ou divisão de “PODER”.

Do outro lado os “Praças” podem ver na desmilitarização uma possibilidade de ascensão na careira e se não, simplesmente uma forma de trabalhar mais tranquilo sem o peso do militarismo nos ombros, ainda tendo a questão dos direitos trabalhistas, que são suprimidos pelos superiores e pelo próprio Estado, usando o militarismo como escudo para driblar as leis.

Diante não da analise, mas dos poucos comentários expostos anteriormente posso concluir que o militarismo “nas policias estaduais” nos dias atuais serve apenas como desculpa para alimentar o ego de indivíduos que por um motivo ou outro precisam da submissão de outras pessoas para se sentirem realizados. Palavras fortes para serem expostas dessa maneira, mas não vejo outra explicação para manter nos dias atuais tidos como moderno, uma classe trabalhista nos moldes escravistas, onde são obrigados a trabalhar para garantir sua sobrevivência e dos seus, em muitos casos sem dia certo para receber, sendo obrigado a tirar serviços extras e quiçá um dia receber e ainda tendo de prestar reverencia “continência” ao seu senhor.

O sistema de “Policia Militar” se mostra incompatível, com uma politica seria de valorização do profissional de segurança pública e do estreitamento das relações entre policias e sociedade. A desmilitarização seria “o ponta pé inicial” para a evolução das policias em todos os aspectos, sei que os que se opõem ao assunto, podem vim com argumentos, leis, artigos e artifícios para inviabilizar e desvirtuar o tema, mas carecem de fatos reais e de fatos reais, que tratamos aqui.