Ceará

Mais da metade do território do Ceará está sem seca; aponta Monitor

mais-da-metade-do-territorio-do-ceara-esta-sem-seca;-aponta-monitor
Mais da metade do território do Ceará está sem seca; aponta Monitor

O Ceará apresenta ausência de seca em mais da metade do território. O estado tem 57,45% do território sem estiagem, enquanto os outros 42,55% têm seca variando de fraca a excepcional. Os dados são do Monitor de Secas da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), e se referem ao mês de março de 2024.

>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

O cenário é o mais ameno desde agosto de 2023.  Segundo o Monitor de Secas, acompanhamento regular e mensal do Governo Federal, de outubro de 2023 a janeiro de 2024, o Ceará esteve com 100% do território em situação de seca. Em fevereiro, com o início da quadra chuvosa, a situação foi sendo alterada no estado.

Além disso, até janeiro de 2024, parte do território cearense apresentava a incidência mais severa da seca. Os 2,3% do território em seca “de grave à excepcional”, foi amenizando com o passar dos meses.

O boletim também indica que os volumes de chuvas acima da normalidade na Região Nordeste geraram uma “melhora” na situação da estiagem na maioria dos estados, com destaque para o abrandamento da seca, que passou de grave para fraca no Maranhão e Piauí. Nas demais regiões, houve uma redução das áreas com seca moderada e seca fraca.

Segundo o Monitor de Secas, no Ceará, as chuvas dos últimos meses geraram “o recuo da seca moderada no centro e sul e da seca fraca no norte”.

Áreas sem seca no Nordeste (março de 2024):

  • Alagoas: 50,4%
  • Bahia: 33,4%
  • Ceará: 57,45%
  • Maranhão: 52,19%
  • Paraíba: 74,8%
  • Pernambuco: 25,62%
  • Piauí: 43,52%
  • Rio Grande do Norte: 98,8%
  • Sergipe: 36,64%

O Monitor das Secas é uma iniciativa do Governo Federal que acompanha se a situação da seca está melhorando ou piorando. O fenômeno é classificado pela intensidade, e a seca pode variar de S1 (seca menos intensa) até S4 (a mais intensa). Já o S0, diz o Monitor, “são áreas com condições de umidade anormalmente baixa e estão secando e podem, possivelmente, virar áreas de secas”.

A classificação é a seguinte:

S0 – Seca Fraca: verânico de curto prazo diminuindo plantio, crescimento de culturas ou pastagem. Saindo de seca: alguns déficits hídricos prolongados, pastagens ou culturas não completamente recuperadas;
S1 – Seca Moderada: Alguns danos às culturas, pastagens, córregos, reservatórios ou poços com níveis baixos, algumas faltas de água em desenvolvimento ou iminentes; restrições voluntárias de uso de água solicitadas;
S2 – Seca Grave: Perdas de cultura ou pastagens prováveis; escassez de água comuns; restrições de água impostas;
S3 – Seca Extrema: Grandes perdas de culturas, pastagem; escassez de água generalizada ou restrições;
S4 – Seca Excepcional: Perdas de cultura, pastagem excepcionais e generalizadas; escassez de água nos reservatórios, córregos e poços de água, criando situações de emergência.

Leia também | Recém-nascido é encontrado dentro de saco de lixo no bairro Jardim das Oliveiras

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Fonte: gcmais.com.br