Ceará

Homem morto em velório: polícia investiga se cachaça envenenada foi ingerida também pelo idoso velado

homem-morto-em-velorio:-policia-investiga-se-cachaca-envenenada-foi-ingerida-tambem-pelo-idoso-velado
Homem morto em velório: polícia investiga se cachaça envenenada foi ingerida também pelo idoso velado

Após um homem morrer durante o velório de um idoso em Viçosa do Ceará, no interior do estado – com suspeita de ele ter tomado cachaça envenenada – a polícia investiga também a morte do próprio idoso. Apurações iniciais apontavam que ele teria morrido de causas naturais, mas não é descartada a hipótese de que o envenenamento tenha levado ambos a óbito.

Um elemento que chama a atenção, nas apurações do caso, é que os dois têm nomes bastante semelhantes: Francisco das Chagas Pereira, de 61 anos; e Francisco das Chagas Pereira de Sousa, de 45 anos. O homem de 45 anos aceitou no velório do homem de 61 uma dose de cachaça, tendo passado mal e ido a óbito em seguida. O caso aconteceu na localidade de Sítio Cacimbão, em Viçosa do Ceará, no último sábado (8).

Leia também | Estátua de Padre Cícero tem cabeça arrancada seis dias após restauração, em Caririaçu, no Ceará

>>>Clique aqui para seguir o canal do GCMAIS no WhatsApp<<<

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que a ocorrência é investigada pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), sublinhando ainda que apenas após o laudo da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) será possível determinar as causas das mortes.

O caso foi registrado na Delegacia Regional de Sobral e, segundo a Secretaria de Segurança, foi depois transferido para a Delegacia Municipal de Viçosa do Ceará, unidade que seguirá com a investigação.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Rio de Janeiro

Em uma outra ocorrência recente, uma mulher do Rio de Janeiro é suspeita de matar o empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond, de 45 anos, com um brigadeiro envenenado. Ela foi presa pela Polícia Civil do Rio de Janeiro no último dia 4 de junho. O caso está sendo investigado desde o dia 20 de maio.

Fonte: gcmais.com.br