Ceará

Policiais denunciados por morte de frentista no Ceará vão a júri popular nesta segunda-feira (6)

policiais-denunciados-por-morte-de-frentista-no-ceara-vao-a-juri-popular-nesta-segunda-feira-(6)
Policiais denunciados por morte de frentista no Ceará vão a júri popular nesta segunda-feira (6)

Começa nesta segunda-feira (6) o júri popular dos quatro policiais militares acusados pela morte do frentista João Paulo Sousa Rodrigues, ocorrida em setembro de 2015, no Ceará. O julgamento criminal foi marcado para as 8h30, no 1º Salão do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua e está previsto para durar até o dia 8 de maio.

É esperado que a Justiça ouça 17 pessoas durante o julgamento, sendo elas: os quatro réus, duas testemunhas arroladas pela assistência de acusação e 11 testemunhas arroladas pela defesa.

Os PMs Haroldo Cardoso da Silva, Francisco Wanderley Alves da Silva, Antônio Barbosa Júnior e Elidson Temóteo Valentim foram denunciados pelo Ministério Público em dezembro de 2015 pelos crimes de sequestro, tortura, homicídio, ocultação de cadáver e organização criminosa.

Os acusados já chegaram a ser presos, mas foram soltos depois de alguns meses. Haroldo está aposentado, enquanto os outros militares atuam em funções administrativas – afastados do serviço nas ruas.

>>Clique aqui para seguir o canal do GCMAIS no WhatsApp<<<

O processo teve início na 5ª Vara Criminal, porém, como foi constatado o homicídio do frentista, o caso foi distribuído para a 1ª Vara do Júri. O promotor de justiça Marcus Renan Palácio de Morais Santos apresentou aditamento à denúncia em 2018 e, na ocasião, incluiu o empresário Severino Almeida Chaves como mandante do crime.

A vítima foi vista pela última vez no dia 30 de setembro de 2015. Na ocasião, o homem foi abordado pelos quatro PMs quando se dirigia até o posto de combustíveis em que trabalhava. No decorrer da ação, o frentista foi algemado e colocado dentro da viatura, onde, segundo as investigações, teria sido torturado e depois assassinado. O corpo da vítima nunca foi encontrado.

Conforme denúncia do MP do Ceará, o crime teria sido cometido a pedido do empresário Severino Almeida Chaves, dono do posto de combustíveis em que João Paulo trabalhava, no bairro Parque Santa Rosa, em Fortaleza. Severino teria desconfiado que o frentista estaria sugerindo a criminosos da região que assaltassem o local. Denunciado pelo Ministério Público em fevereiro de 2018, o empresário, porém, foi impronunciado pela Justiça, que alegou ausência de provas de sua participação.

O promotor de Justiça Marcus Renan Palácio de Morais Santos representará o MP cearense no júri da próxima semana.

“Os fatos que embasam a acusação são de extrema gravidade e demandam uma resposta firme da Justiça. Tanto a família da vítima quanto a sociedade esperam, há nove anos, que os responsáveis por esses atos hediondos sejam devidamente julgados e punidos conforme a lei”, ressaltou.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Morte de frentista no Ceará em 2015

O crime ocorreu há quase nove anos, quando o frentista se deslocava em uma motocicleta ao posto de combustível onde trabalhava. Câmeras de segurança flagraram ele sendo abordado por policiais em uma viatura e depois entrando em um veículo, pertencente a um PM. Depois, o jovem não foi mais visto.

João Paulo trabalhou em um posto de combustíveis roubado cinco vezes, em Maracanaú. Em fevereiro de 2015, ele trocou de estabelecimento e começou a trabalhar no bairro Parque Santa Rosa em um posto de propriedade de Severino Almeida Chaves, conhecido como “Ceará”.

O empresário chegou a ser acusado pelo Ministério Público de ser o mandante do homicídio. Entretanto, a decisão judicial foi de não levá-lo a julgamento devido a falta de provas.

Leia também | Motociclista por aplicativo morre após ser esfaqueado durante assalto em Fortaleza

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Fonte: gcmais.com.br